Projeto de Equoterapia atende mais de cem alunos matriculados na rede pública de ensino

Jorge Pinho

O projeto de Equoterapia da Prefeitura de Cuiabá vem contribuindo para o desenvolvimento dos estudantes com necessidades especiais. Atualmente, 164 crianças da rede municipal de educação são acompanhadas pelo projeto, que utiliza o método terapêutico e educacional, por meio do cavalo, em uma abordagem interdisciplinar entre as áreas da Saúde e da Educação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial dos alunos com deficiência e outras necessidades especiais.

O projeto começou com 30 alunos e o atendimento era apenas para crianças com Autismo e Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). A coordenadora de Organização Curricular da Secretaria Municipal de Educação (SME), Eliane Quinhone, explicou como o aluno tem acesso ao tratamento. “A família solicita um encaminhamento do médico que acompanha a criança, para que possamos saber se está ou não apta para a Equoterapia. Com esse encaminhamento, a escola solicita a vaga”, explicou.

Mesmo aumentando significativamente o número de vagas nos últimos anos, existe uma demanda na rede, por isso os pais se comprometem assinando um termo e, se a criança faltar três vezes, sem justificativa, passa a vaga para a próxima da lista de espera.

“A ampliação do projeto para que possamos atender as necessidades dos nossos alunos foi uma determinação do prefeito Emanuel Pinheiro, e estamos trabalhando para aumentar o número de vagas. Em 2017, o projeto atendia 60 alunos, hoje mais que dobramos as vagas e vamos continuar trabalhando para que possamos aumentar ainda mais esse número”, afirmou o secretário de Educação de Cuiabá, Alex Vieira Passos, ao lembrar que, hoje, a rede pública municipal é uma referência na Educação Especial.

Alguns alunos atendidos pelo projeto ainda têm garantido o transporte para que possam realizar o tratamento.

Cavalgadas e trotes que geram saúde

A todo instante, pais e mães de alunos do Projeto Equoterapia chegam ao Centro de Hipismo Rancho Dourado. Eles falam de como começaram a participar do projeto e da evolução dos seus filhos em consequência das cavalgadas, trotes ou passeios no lombo do animal, o que acaba redundando num conjunto de movimentos que estimulam os nervos e outros órgãos, trazendo uma melhora significativa para a criança que pratica ou se exercita na equoterapia.

As melhoras são perceptíveis tanto na fala, quanto nos movimentos das crianças e, principalmente, na sua independência, segundo Rodrigo Daniel, pai da pequena Maria Souza (6), aluna da Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Maria Lucila da Silva Barros, localizada no Jardim Ubirajara. “Desde que chegou aqui, há um ano, minha filha ficou mais comunicativa, tem menos medo e está mais confiante”, disse Rodrigo Daniel.

Elzo Silva Filho, pai do Enzo (8), que tem autismo e estuda no 2º Ano, na EMEB Ezequiel de Siqueira, também constatou as melhoras do filho na parte motora. “Percebemos essa melhoria em casa e na escola. Tanto eu, quanto a mãe, estamos confiantes. Toda quarta-feira, trazemos o Enzo para os exercícios e só deixaremos a equoterapia, se os médicos recomendarem outro tratamento”, disse ele.

 A contadora Jackeline Leite Gonçalves é mãe de Valentina (7), que tem “Síndrome de Jacobsen”. Ela estuda na EMEB Hélio de Souza, no bairro Praieiro e há seis meses participa do projeto. “Vejo o quanto Valentina fica feliz quando vem para o Rancho Dourado. Esse é um projeto realizado por uma equipe competente e uma gestão que está preocupada e valoriza as crianças. A evolução da Valentina é tanta, que já conta historinhas ao fazer os exercícios de equoterapia. Ela está evoluindo muito bem, desenvolvendo a fala e a gente abraça essa causa junto com o prefeito”, concluiu.

Projeto de Equoterapia

O Projeto de Equoterapia da rede municipal de Educação foi criado em 2015. As crianças participam das sessões, uma vez por semana, durante 50 minutos, no Haras Twin Brothers e na Equitakids/Rancho Dourado Eireli, que atendem respectivamente 70 alunos no primeiro e 94 alunos, no segundo.

Os atendimentos no Haras Twin Brothers acontecem no período de aula. O transporte escolar busca a criança e o Cuidador de Aluno com Deficiência (CAD) na unidade. Já no Equitakids Rancho Dourado Eireli, os atendimentos são realizados no contra turno escolar.

A criança manuseia e monta os cavalos que em razão da sua andadura tridimensional, emitem para o cérebro do praticante, de 120 a 180 estímulos. Entre os benefícios da equoterapia estão a organização do esquema corporal e do espaço temporal, melhorias na coordenação motora e destreza, estímulo ao raciocínio lógico e matemático e ao sentido da realidade, desenvolvimento da linguagem, leitura e escrita. A atividade minimiza os distúrbios comportamentais tornando a criança mais sociável, melhorando a sua autoestima, sua autoimagem e autonomia.

A equoterapia é considerada uma das formas mais eficazes para reabilitação de pacientes com problemas motores, sendo indicada também nos casos de paralisia cerebral, lesões neuro-motoras (cerebral e medular), deficiências sensoriais (áudio-fono e visual), patologias ortopédicas, síndromes genéticas, autismo e outros.

(Estagiária Emilly Rodrigues com supervisão da jornalista Maria Barbant)

Comentários Facebook