Mato Grosso

Estado investe em 600 bolsas de iniciação científica e governador pede foco em resultados

O Governo do Estado firmou parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) para investimento em 600 bolsas de iniciação científica. Um termo de cooperação técnica entre o Executivo e instituições de ensino foi assinado nesta terça-feira (17.09) pelo governador Mauro Mendes.

Do total de bolsas concedidas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat), 500 serão destinadas para cursos de graduação e 100 para alunos do ensino médio. O valor do investimento é de R$ 3 milhões, aproximadamente, sendo R$ 450 destinados para graduação e R$ 150 para as bolsas de ensino médio, que serão pagos no período de um ano.

“Temos que estabelecer pilares para o desenvolvimento e o investimento em pesquisa é o caminho mais certo para se chegar ao futuro em condições melhores que o presente. Mato Grosso é especialmente ligado ao agronegócio, setor que ainda carece de caminhar muito para obter uma melhor competitividade”, disse Mendes.

Leia Também:  Caminhoneiro de 38 anos morre após bater de frente com carreta na BR-163

O governador apontou para a necessidade de que os investimentos sejam aplicados em áreas de pesquisa que de fato atendam demandas de Mato Grosso, utilizando os recursos públicos de forma aprimorada e com foco nos resultados que beneficiem o Estado.

Ele pontuou que irá analisar os resultados das pesquisas desenvolvidas com a parceria ao final do prazo de desenvolvimento dos trabalhos.

 “A pesquisa deve ser cada vez mais focada naquilo que importa à nossa sociedade e que possa efetivamente produzir resultados. Com esse objetivo, vou contribuir avaliando os resultados dos investimentos, porque se forem positivos, os recursos serão novamente aportados. Caso contrário, poderão ser reduzidos ou até mesmo cortados”, asseverou o chefe do Executivo estadual.

O presidente da Fapemat, Adriano Silva, explicou que as bolsas serão divididas entre as instituições de ensino, sendo destinadas 200 para cursos de graduação da UFMT, 200 para a Unemat e 100 para o IFMT. Já as bolsas para o ensino médio foram divididas em 10 para UFMT, 30 para Unemat e 50 para o IFMT.

Leia Também:  Fachada de concreto cai e mata trabalhador de 37 anos em MT

“Essas bolsas têm como objetivo despertar a vocação científica e incentivar talentos potenciais entre nossos estudantes, mediante a participação em projetos de pesquisa, orientados por pesquisadores qualificados. Vamos trabalhar para que sejam destinadas às áreas que realmente promovam avanços e o crescimento do Estado, trazendo resultados tanto para o setor público, como também para o setor produtivo”, afirmou Silva.

O vice-reitor da UFMT, Evandro Soares, ratificou o pedido do governador para que as pesquisas atendam as demandas de Mato Grosso e considerou que os editais de chamamento tragam o objetivo de que os trabalhos promovam soluções de curto e médio prazo.

“Junto com o Governo, devemos identificar quais as demandas que o Estado carece e trabalhar juntos essas necessidades, agregando valor às pesquisas desenvolvidas por nossos alunos”, comentou.

Também estiveram presentes no ato de assinatura do termo de cooperação os deputados estaduais Thiago Silva e Dilmar Dal Bosco, o secretário adjunto de Ciência, Tecnologia e Inovação, Stéphano do Carmo, a pró-reitora da Unemat, Leonarda Neves, e o reitor do IFMT, Willian de Paula.

Comentários Facebook

Destaque

Mato Grosso registra redução nos índices de roubo e furto de defensivos agrícolas e de cargas

Durante o período de janeiro a setembro de 2020, Mato Grosso registrou redução nos índices de roubo e furto de cargas e defensivos agrícolas em Mato Grosso. A incidência de roubo de defensivos reduziu 28%.

Foram registrados 31 roubos em 2020, enquanto no mesmo período do ano passado foram 43. Também houve uma redução de 23% nos furtos de defensivos agrícolas, sendo 34 casos este ano, dez a menos que no mesmo período de 2019, que registrou 44.

Entre os locais de registro das ocorrências de roubo e furto estão as propriedades rurais (62%), vias públicas (13%), postos de gasolina (3%), residência particular (3%), indústria (2%), restaurantes (2), vias férreas (2%) e outros (16%).

Nesses nove meses também houve redução de 21% nos índices de roubo de carga no estado. Foram registrados 70 roubos, 19 a menos que no mesmo período de 2019, em que foram registrados 89 casos. Os números de furtos de cargas reduziram 19% em 2020, com 55 registros, 13 a menos que no mesmo período do ano passado, com 68.

Entre os principais produtos alvos de roubos e furtos de cargas estão grãos (61%), adubos/agrotóxicos (12%), carne bovina (4%), produtos alimentícios (4%), combustíveis (2%), bebidas (2%), madeira (1%), produtos diversos (5%) e não informados (9%).

Os dados são da Superintendência do Observatório de Segurança Pública, vinculada à Adjunta de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT).

PMMT

Operação Salutem

A Sesp-MT, por meio da Secretaria Adjunta de Integração Operacional (SAIOP), deflagra, de acordo com a necessidade de cada região, a Operação Integrada Salutem. A ação conta com a Polícia Militar (PM-MT), Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), Corpo de Bombeiros Militar (CBM-MT), Sistema Penitenciário, Guarda Municipal, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) e Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea).

Leia Também:  Todos os municípios de Mato Grosso permanecem com risco baixo de contaminação da Covid-19

O foco da operação é a redução dos indicadores criminais nas Regiões Integradas de Segurança Pública (RISP’S), buscando prevenção e repressão imediata aos crimes de roubos e furtos de veículos, cargas e defensivos agrícolas, adulterações de sinais de identificação veicular, tráfico de entorpecentes, transporte irregular de cargas, porte ilegal de arma de fogo, descumprimento de medidas sanitárias, Lei Seca, vistoria em estabelecimentos comerciais e barreira policial em áreas rurais.

Para o secretário adjunto de Integração Operacional, Victor Paulo Fortes, fica claro que todas as ações da Segurança Pública contribuem para a redução.

“As ações sistemáticas que já vêm ocorrendo no Estado, agregadas ao monitoramento da Inteligência e operações integradas nas regionais com maior incidência, contribuem para a queda desses índices. Na nossa análise, as operações de desmantelamento da maior quadrilha de roubo e furto de defensivo agrícola do estado, no final de 2019 e início de 2020, também foram fundamentais”, ressalta.

Patrulhamento Rural

A Operação Patrulhamento Rural, da Polícia Militar, com apoio da SAIOP, quando integrada com outras forças locais, e que tem sido intensificada em todas as RISP’s. O patrulhamento possui bons resultados nas regiões mais impactadas pelos crimes de roubo e furto de defensivos e carga no estado.

Leia Também:  Mato Grosso registra 139.801 casos e 3.773 óbitos por Covid-19

O subchefe do Estado Maior e diretor operacional da PM-MT, coronel PM Wankley Rodrigues destaca que a Patrulha Rural é uma prioridade do Comando Geral, juntamente com os Comandos Regionais.

“Mato Grosso é rico no agronegócio, principalmente nas grandes plantações. Nós temos também uma grande pecuária em todo o estado de Mato Grosso, então esse trabalho é voltando para atender todas essas comunidades. Os policiais já estão treinados para essa atividade. Agora estamos em início de plantio, existe uma recomendação para que as áreas mais afetadas por essas ocorrências sejam priorizadas”.

Fim da Linha

A Polícia Judiciária Civil, por meio da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), deflagrou, em dezembro de 2019, a operação “Fim da Linha”, dando cumprimento a 16 ordens judiciais contra a principal organização criminosa especializada em roubos de defensivos agrícolas. Os mandados foram cumpridos em seis municípios de Mato Grosso, contemplando as RISP’s mais impactadas nos crimes que ameaçam as propriedades rurais.

Na avaliação do delegado Frederico Murta, responsável pelo caso, a prisão da organização criminosa, a identificação e a prisão dos receptadores fizeram com que todo o ciclo de reinserção das mercadorias roubadas fosse quebrado. “Além dos roubos e furtos, a receptação e comercialização dessas mercadorias é o que aquece esse mercado. O grupo identificado vinha atuando há um bom tempo, com estrutura de pessoal, logística e armamento pesado. Foram realizadas grandes apreensões de mercadorias roubadas e armas de fogo”.

Comentários Facebook
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

POLÍTICA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA