Adilson apresenta lei para identificação e tratamento da dislexia

Com o objetivo de identificar e tratar dislexia em pessoas atendidas pelas redes públicas de ensino da capital , o Vereador Adilson Levante (PSB), apresentou o projeto, que cria um programa para a detecção precoce e acompanhamento integral de estudantes. A proposta é desenvolver e manter Programa de Identificação, diagnóstico, tratamento e acompanhamento de educando com Dislexia, Discalculia e TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade.

‘A ideia é que no início do ano letivo, pais e alunos deverão ser entrevistados para que a escola tenha melhor possibilidade de fazer uma identificação precoce de algum transtorno de aprendizagem’, explica o vereador.

Outro ponto do projeto é estabelecer parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e outras secretarias e órgãos de natureza governamental e não-governamental para a oferta dos cursos de capacitação aos professores. As Instituições de Ensino deverão ofertar uma equipe multidisciplinar de apoio para a realização de identificação precoce e a orientação para uma efetiva inclusão destes alunos com Dislexia, Discalculia e TDAH.

O parlamentar aponta que problemas como estes contribuem de forma significativa para evasão escolar. ‘ Problemas como estes podem acarretar no abandono escolar, que geralmente podem culminar em complicações psicológicas e deixam os jovens vulneráveis’, aponta Adilson.

A dislexia é identificada naqueles com dificuldade de aprendizado da linguagem – como leitura, soletração e escrita – da linguagem expressiva ou receptiva e das linguagens corporal e social. É um distúrbio que afeta o aprendizado de crianças e adolescentes, bem como o cotidiano e o desempenho profissional de adultos que não são devidamente diagnosticados quando mais jovens.

O chamado “Programa Municipal de Identificação e Tratamento da Dislexia” consiste em aplicar o exame de diagnóstico em todos os alunos matriculados ou que se matriculem em escolas municipais e nos pacientes que apresentarem sintomas ou sinais após serem examinados nas unidades de saúde municipais.

O programa, por meio das secretarias de Educação e de Saúde, deverá manter a capacitação permanente dos profissionais de educação e de saúde para que tenham condições de identificar os sinais de dislexia e outros transtornos de aprendizagem.

“Cabe ao Poder Público empreender esforços para que esse tipo de distúrbio seja identificado e tratado, visando aumentar as oportunidades e a qualidade de vida dos cidadãos”, justificou o vereador.

O projeto continua tramitando no legislativo e Adilsom pede o apoio dos pares para a provação da lei.

Saiba Mais :

Hiperatividade, déficit de atenção, TDAH e dislexia têm tratamento e um bom diagnóstico faz toda a diferença na vida do portador.

São diferentes nomenclaturas e siglas. Apesar da proximidade entre elas, a hiperatividade, a dislexia e o transtorno de atenção podem atrapalhar a vida e a inserção social de crianças, adolescentes e adultos por um longuíssimo tempo até o diagnóstico preciso.

A boa notícia é que nada disso é doença e, embora sejam distúrbios crônicos, todos têm tratamento. Acredite: é perfeitamente possível que os portadores tenham uma vida feliz, realizada e bem sucedida. São pessoas capazes, diferentes apenas nos mecanismos cerebrais.

Câmara de Cuiabá | Elizângela Tenório

Comentários Facebook