Destaque

Zé do Pátio é reeleito prefeito em Rondonópolis

O prefeito José Carlos Junqueira de Araújo (SD) acaba de ser reeleito com 43,87% dos votos prefeito no município de Rondonópolis (MT) na noite deste domingo (15).

Veja:

 

 

 

BIOGRAFIA

José Carlos Junqueira de Araújo, popularmente conhecido por Zé Carlos do Pátio, foi prefeito de Rondonópolis de 2008 a 2012, eleito novamente em 2016 com 36,22% dos votos válidos totalizando 39.352 votos, é do partido Solidariedade (SD) e um dos políticos que mais possui experiência e atuação em favor de Rondonópolis. O representante da região sul do Estado, já acumula mais de 30 anos de experiência política tanto no legislativo como no executivo.
Zé Carlos Pátio é natural de Londrina (PR), é formado em Engenharia Civil, Matemática e Inglês. Iniciou sua vida publica muito cedo, quando foi diretor de Obras da Prefeitura de Rondonópolis, participou da fundação da Secretaria de Planejamento e Urbanismo, onde fez um novo mapeamento da cidade e foi secretário de obras por duas vezes. Em 1988, se elegeu vereador e por mais duas vezes consecutivas e quatro mandatos de deputado estadual no Mato Grosso.
.
Com informações do TSE.
Comentários Facebook
Leia Também:  Todos os municípios de Mato Grosso continuam com risco baixo de contaminação da Covid-19

Destaque

Sefaz realiza ação para apurar fraudes após denúncia de consumidores

A Secretaria de Estado da Fazenda de Mato Grosso deflagrou na manhã desta terça-feira (01.12), a Operação Contingência I. O objetivo principal da operação é dissuadir os contribuintes que sonegam impostos, prática que gera grandes prejuízos à sociedade e desequilíbrio na concorrência.

Foram alvos nesta primeira fase cinco estabelecimentos de uma rede de supermercados estabelecida em Cuiabá e Várzea Grande, além do escritório de contabilidade responsável pelo contribuinte. No decorrer desta semana a operação vai prosseguir em outras redes onde houve denúncia de não emissão de documentos fiscais.

A Operação Contingência I é resultado das investigações realizadas pelas unidades de inteligência e fiscalização da Secretaria Adjunta da Receita Pública e tiveram início partir da análise das reclamações apresentadas pelos cidadãos por meio do aplicativo móvel do Programa Nota MT.

O objetivo principal da operação é dissuadir todos os contribuintes de empregarem tal prática sonegatória, que gera grandes prejuízos à sociedade e o danoso desequilíbrio concorrencial no segmento.

Destacaram-se, entre os motivos de reclamação, as denúncias de estabelecimentos que forneciam a nota fiscal “em contingência”, mas que essa compra não se revertia em cupons para sorteio no Programa. Essa prática, quando confirmada, materializa que o contribuinte deixou de solicitar à Sefaz a autorização de notas fiscais (NFC-e), acarretando redução do montante do ICMS devido.

Leia Também:  Helicóptero do Ibama cai no Pantanal e mata coronel dos Bombeiros

Todos os elementos levantados pela Secretaria de Fazenda, indicam o uso de software nos pontos de vendas. Portanto possuem mecanismo para filtrar quais as notas deverão ou não ser transmitidas e fazer a manipulação do faturamento, que é apresentado para Sefaz. “Nesse momento ainda não é possível atestar que isto esteja sendo utilizado por mais empresas, mais é muito sugestivo o fato de usar software comercial muito conhecido”, explicou Rafael Veira, da Superintendência de Controle e Monitoramento da Sefaz (Sucom), que comandou a operação.

“Neste primeiro momento foi levado ao conhecimento da empresa, a relação de todos os documentos, que a gente apurou, como não transmitidos a Sefaz, e concedemos para ela, dentro da política da Secretaria de Fazenda, a possibilidade da regularização em um período muito curto, de fazer a transmissão destes documentos, a apuração do imposto devido e o recolhimento. No caso da empresa não reconhecer os fatos levantados, serão aplicadas multas e penalidades, pela não transmissão destes documentos e sonegação”, disse também Rafael Vieira.

Leia Também:  Operação integrada encontra adolescentes consumindo droga e álcool e detém dono de espaço

A Sefaz espera que a Operação Contingência I estimule os contribuintes irregulares a promoverem a autorregularização, por meio da solicitação de autorização dos documentos fiscais emitidos em contingência, da retificação das EFDs e recolhimento dos tributos que vierem a serem apurados.

Programa Nota MT

Essa não é a primeira ação fiscal que a Sefaz/MT realiza com base em reclamações realizadas por consumidores através do Programa Nota MT. Em dezembro de 2019, a Superintendência de Fiscalização deflagrou Operação Máquina Fantasma, que tinha como alvo 300 estabelecimentos alvos de denúncias por não emissão de documentos fiscais. Os resultados foram extremamente positivos, com incremento no montante de tributos recolhidos e redução das reclamações.

Comentários Facebook
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

POLÍTICA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA