Destaque

Lojas Riachuelo pretende instalar duas unidades no Rondon Plaza Shopping

Nesta sexta-feira (15/01), a equipe técnica de expansão das Lojas Riachuelo, chefiada pelo CEO da rede Osvaldo Nunes (ao centro na foto), estiveram conhecendo a estrutura do Rondon Plaza com objetivo de implantar uma loja do grupo, além de uma unidade da novíssima Riachuelo Moda Casa, eles foram recebidos pelo superintendente do shopping Giovanni Zem.

Nesta sexta-feira (15/01), a equipe técnica de expansão das Lojas Riachuelo, chefiada pelo CEO da rede Osvaldo Nunes (ao centro na foto), estiveram conhecendo a estrutura do Rondon Plaza com objetivo de implantar uma loja do grupo, além de uma unidade da novíssima Riachuelo Moda Casa, eles foram recebidos pelo superintendente do shopping Giovanni Zem.

Segundo Zem, a reunião com representantes das Lojas Riachuelo foi muito produtiva, e faz parte da estratégia para 2021 do Rondon Plaza para atrair grandes de investidores para o empreendimento. “Tivemos uma conversa muito proveitosa com a equipe das Lojas Riachuelo, e caminhamos a passos largos para trazer esta rede para Rondonópolis e para o Shopping”, comentou.

Leia Também:  Operação Lei Seca prende 20 pessoas por embriaguez ao volante no fim de semana

Com a previsão da chegada desta importante rede varejista nacional, o Rondon Plaza Shopping se consolida ainda mais como o maior e mais completo centro de compras da região.

 

Comentários Facebook

Brasil

Bolsonaro: novo auxílio deve voltar em março, com parcelas de R$ 250

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (25), durante sua live semanal nas redes sociais, que o valor do novo auxílio emergencial a ser proposto pelo governo será de R$ 250. O benefício, segundo ele, deve começar a ser pago ainda em março, por um período total de quatro meses.

Presidente Jair Bolsonaro e Pedro Guimarães, presidente da Caixa, falam sobre novo auxílio emergencial

” A princípio, o que deve ser feito? A partir de março, por quatro meses, R$ 250 de auxílio emergencial. Então é isso que está sendo disponibilizado, está sendo conversado ainda, em especial, com os presidentes da Câmara [Arthur Lira (PP-AL)] e do Senado [Rodrigo Pacheco (DEM-MG)]. Porque a gente tem que ter certeza de que o que nós acertarmos, vai ser em conjunto”.

A expectativa, segundo o presidente, é que os quatros meses complementares de auxílio possam fazer a “economia pegar de vez”. “Nossa capacidade de endividamento está, acredito, no limite. Mais quatro meses pra ver se a economia pega de vez, pega pra valer”, afirmou.

O novo auxílio emergencial deve substituir o auxílio pago ao longo do ano passado, como forma de conter os efeitos da pandemia de covid-19 sobre a população mais pobre e os trabalhadores informais.

Leia Também:  Polícia Civil investiga mulher que se passava por médica em hospitais

Inicialmente, o auxílio emergencial, em 2020, contou com parcelas de R$ 600 ou R$ 1,2 mil (no caso de mães chefes de família), por mês, para cada beneficiário. Projetado para durar três meses, o benefício foi estendido para um total de cinco parcelas.

Em setembro do ano passado, foi liberado o Auxílio Emergencial Extensão, de R$ 300 (R$ 600 para as mães chefes de família), com o pagamento de quatro parcelas mensais. O último pagamento do benefício ocorreu no final de janeiro. Cerca de 67 milhões de pessoas foram contempladas com o programa.

A renovação do benefício ainda precisa ser proposta pelo governo ao Congresso Nacional e, em seguida, aprovada pelos parlamentares.

Bares e restaurantes

Durante a live, Bolsonaro também anunciou que o governo deve lançar em breve um programa de adiamento, refinanciamento e parcelamento de impostos e contribuições tributárias (Refis) para o setor de bares e restaurantes.

“Está na iminência de publicar o Refis do pessoal aí dos bares e restaurantes, que estão numa situação bastante complicada”, afirmou o presidente.

Leia Também:  PEC emergencial cria cláusula de calamidade para pagar auxílio em 2021

Com mais de 1 milhão de estabelecimentos em todo o país, que empregam cerca de 6 milhões de pessoas, o setor de bares e restaurantes diz que houve queda de 70% nas vendas ao longo do ano passado.

Comentários Facebook
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

POLÍTICA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA