Brasil

Bolsonaro diz que impostos federais sobre gás e diesel serão zerados

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (18), durante sua live semanal nas redes sociais, que o governo decidiu zerar os impostos federais que incidem sobre o gás liquefeito de petróleo (GLP) – o gás de cozinha – e o óleo diesel. A suspensão sobre o gás será definitiva. Já a interrupção na cobrança federal sobre o diesel terá duração de dois meses. As medidas foram decididas em uma reunião do presidente com a equipe econômica, ocorrida durante a tarde, e passam a valer no próximo mês.

“A partir de 1º de março agora, não haverá mais qualquer tributo federal no gás de cozinha, ad eternum. Então, não haverá qualquer tributo federal no gás de cozinha, que está, em média, hoje em dia, R$ 90, na ponta da linha, para o consumidor lá. E o preço na origem está um pouco abaixo de R$ 40. Então, se está R$ 90, os R$ 50 aí é ICMS, imposto estadual, e é também para pagar ali a distribuição e a margem de lucro para quem vende na ponta da linha”, disse o presidente.

Leia Também:  Seduc entrega 364 aparelhos de ar condicionado e mobiliário para escolas de Rondonópolis

No caso do diesel, Bolsonaro explicou que o corte no imposto será temporário até que o governo encontre uma forma de eliminar a cobrança de forma definitiva. O presidente também criticou reajustes recentes no preço dos combustíveis por parte da Petrobras e chegou a indicar que haverá mudanças na estatal em breve.

“Por que por dois meses? Porque, nesses dois meses, vamos estudar uma maneira definitiva de buscar zerar esse imposto no diesel. Até pra ajudar a contrabalancear esse aumento, no meu entender, excessivo, da Petrobras. Mas eu não posso interferir nem iria interferir na Petrobras. Se bem que alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias. Você tem que mudar alguma coisa.”

Atualmente, o único imposto federal incidente sobre o GLP e o diesel é o PIS/Cofins, que é de R$ 2,18 por botijão e cerca de 35 centavos por litro do diesel, segundo informações da Agência Nacional de Petróleo (ANP). A Cide, outro imposto federal cobrado sobre combustíveis, já está zerada tanto para o diesel quanto para o GLP.

Comentários Facebook

Brasil

Mulher viaja mais de 2 mil quilômetros para doar medula óssea

A estudante de psicologia Giovanna Venarusso Crosara, de 24 anos, viajou mais de 2 mil quilômetros para doar medula óssea a um paciente 100% compatível com ela. Ela saiu de Lins, em São Paulo, e viajou até o Recife, em Pernambuco.

“O tempo todo, principalmente quando eu sentia algumas dores, eu pensava assim: a pessoa que vai receber a medula provavelmente deve ter passado por situações muito mais complicadas”, disse a doadora, em entrevista ao G1. Mesmo sem conhecer a pessoa que vai receber a medula, Giovanna Venarusso tem certeza que o gesto valeu a pena. “Com certeza faria de novo [a doação]. A gente se coloca em riscos maiores em outros momentos da nossa vida, então porque não doar? É incômodo, mas isso pode salvar a vida de alguém.”

Ela se cadastrou no Redome, o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea, em 2016, mas só em dezembro de 2020 conseguiu ajudar alguém. “Eu fiquei, nem sei, extasiada. Logo fiquei pensando em quem era, o que essa pessoa estava passando”, conta a estudante.

Leia Também:  Rotam encontra 71 barras de maconha em carro no bairro Três Barras

Você viu?

No dia 11 de janeiro deste ano, a jovem viajou para Recife, com as despesas pagas pelo programa, para fazer mais alguns exames e, no dia 23, partiu novamente para o estado do Pernambuco com uma amiga para internar e fazer a doação. “Minha doação foi no dia 25, deram sedativo, fiz o procedimento e não vi nada, só acordei na salinha de recuperação”, relata Giovanna. O procedimento cirúrgico, no qual a medula é retirada do interior de ossos da bacia por meio de punções, leva em torno de 90 minutos e a medula óssea do doador se recompõe em 15 dias.

Doação

Para se tornar um doador de medula óssea é necessário ter entre 18 e 55 anos de idade, estar em bom estado de saúde, não ter doença infecciosa, incapacitante ou neoplásica, como câncer, hematológica ou do sistema imunológico.

O interessado em se tornar um doador também deve ir até o Hemonúcleo mais próximo e pedir para o técnico fazer seu cadastro no Redome. Após essa etapa, é coletada uma pequena amostra de sangue para constar nos registros de compatibilidade.

Leia Também:  Rondonópolis deve ter voo para Brasília a partir do segundo semestre

Para saber mais sobre o trabalho do Redome clique aqui. Você também pode conferir neste site o Hemonúcleo mais próximo de sua cidade e tirar todas as dúvidas sobre o cadastro.

Fonte: IG Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

POLÍTICA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA