Mato Grosso

Retábulos da antiga Catedral ganham destaque no Museu de Arte Sacra de MT

Após dois anos inacessível, o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso abrirá novamente suas portas para o público nesta quinta-feira (07), a partir das 19h30. A novidade maior fica por conta da ampliação de seu acervo, dando espaço a duas novas alas da exposição permanente do Museu.

Um desses espaços ficará reservado a instrumentos musicais, entre eles, uma sala que expõe piano de estante e órgão de pedaleira, instrumentos que já pertenceram a Igreja do Bom Jesus de Cuiabá do período colonial.

Na outra nova ala, talvez a mais aguardada, o destaque é para os retábulos da antiga Catedral demolida em 1968. Tratam-se de dois retábulos, que consistem em uma estrutura ornamental que se elevam na parte posterior do altar rementes aos séculos XVIII e XIX. 

As estruturas possuem 8 metros de altura cada, são originadas da igreja implodida, um neoclássico e um barroco rococó, montados um de frete para o outro, exatamente como estavam organizados originalmente na Igreja Senhor Bom Jesus de Cuiabá. Além dos retábulos, a mesa do altar, do retábulo neoclássico, está montada com crucifixos e tocheiros utilizados à época compões a exposição.

“Remontar os antigos retábulos da Catedral foi uma das mais complexas ações que abarcamos nestes últimos dez anos. Um trabalho que vem sendo realizado desde 2005, e que inclui reintegração das partes faltantes, higienização, descupinização, identificação, catalogação, pesagem e, por fim, montagem de cada um deles em estruturas autoportante, parte por parte, que são fixadas como um quebra-cabeça em grande escala”, revela Viviene Lozi, coordenadora do Museu de Arte Sacra de Mato Grosso. 

Leia Também:  Mato Grosso registra 334.091 casos e 8.771 óbitos por Covid-19

A montagem dos retábulos foi um capítulo à parte, segundo Viviane Lozi

“Organizamos peça por peça e calculamos tudo, pesos e medidas. Os retábulos são montados em blocos estruturais, tendo sempre como referências fotografias e registros documentais, para que pudéssemos fazer a identificação e reintegração das partes faltantes. Um verdadeiro quebra-cabeça de grandes proporções que ocupa uma área de 145 m²”, explica a coordenadora. 

Ela agradece a colaboração de outras instituições parceiras, pois sem as fotografias dos Acervos do Museu da imagem e do Som de Cuiabá (MISC), Arquidiocesana de Cuiabá (Mitra), Arquivo Público e o processo de tombamento dos retábulos do Iphan não seria possível remontar os retábulos e identificá-los.  

Após muita pesquisa, só em 2015 os retábulos foram montados em pé, apoiados em estruturas autoportantes, projetadas para que não causassem nenhum impacto na edificação. Trata-se de uma estrutura com um pé direito de 12 metros de altura, lançada do térreo ao primeiro piso, para segurar os enormes retábulos, que não encostam nas paredes.

“Um projeto inovador no Brasil, remontar em grande escala, altares de uma igreja organizados em uma nova edificação, numa área muito grande, dentro de um prédio tombado era nosso grande desafi e felizmente deu certo”, comemora Viviene.

O Livro

À ocasião da reabertura, será lançado o livro “Museu de Arte Sacra – Três décadas de Preservação, Valorização e Educação”, publicação que traz toda a historiografia desse museu que completa 39 anos em março. O livro, organizado pelos professores Renilson Rosa, Cristiane Thais do Amaral e pela diretora do MASMT, Viviene Lozi, revela os trabalhos desenvolvidos no museu nas últimas três décadas.

Leia Também:  Governador propõe isenção de IPVA a motos populares, motoristas de aplicativos e frota de setores atingidos pela pandemia

A publicação traz artigos, com a historiografia, iconografia e o processo de montagem dos quatro altares da antiga catedral, plano educativo, organização dos ambientes do museu e todo o trabalho desenvolvido pela Ação Cultual – Associação dos Produtores Culturais e da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso, nos últimos dez anos de atuação no espaço museológico.   

Um capítulo especial da publicação revela ainda todos os passos para a complexa remontagem dos retábulos, das fichas catalográficas, inventariado, reintegração das peças faltantes até a idealização das estruturas autoportantes pela equipe de arquitetura e engenharia.

O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso é um dos muitos aparelhos da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer e fica aberto à visitação de quarta-feira à domingo, sempre das 9h às 19h.

Serviço

Tema: Museu de Arte Sacra de Mato Grosso reabre para o público

Quando: 07/02 (quinta-feira) 

Horário: a partir das 19h30

Quem pode participar: Livre para todas as idades/ Entrada franca

Local: O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso fica na Praça do Seminário, na Rua Clóvis Hugney, 239, bairro Dom Aquino. Funcionará de quarta-feira a domingo, das 9h às 19h. Ingresso a R$5.

Outras informações: (65) 3646-9101 ou (65) 98425-1443 (whatsApp – Imprensa)

Comentários Facebook

Destaque

Mato Grosso sobe no ranking da mineração no Brasil

Mato Grosso tornou-se em 2020 o primeiro estado do Brasil em requerimentos minerais e é o sexto com maior produção mineral do país. O presidente da Empresa Mato-grossense de Mineração (Metamat), Juliano Jorge Boraczynski, disse em entrevista à rádio CBN, de Cuiabá, que este é o reflexo da grande procura por minérios.

“A busca de empresários de outros estados é muito grande pelo solo mato-grossense. Aqui temos zinco, fosfato, cobre e ouro e, por isso, a continuidade do trabalho da Metamat é muito importante”, afirmou Juliano Jorge.

Ele salientou ainda que há um trabalho forte das empresas e cooperativas garimpeiras em busca da sustentabilidade da atividade especialmente na região Norte de Mato Grosso.

“Antigamente, o garimpo fazia um ‘estrago’ na região, mas hoje é feito um furo por perfuratriz para extrair os minérios”, disse, citando o exemplo da Cooperativa dos Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto (Coogavepe), em Peixoto de Azevedo, que é a sexta maior em extração de ouro.

Leia Também:  Mato Grosso sobe no ranking da mineração no Brasil

Os investimentos na mineração em Mato Grosso podem aumentar ainda mais com a organização da logística na região garimpeira. “Existe o projeto da ferrovia Ferrogrão ir até Lucas do Rio Verde e porque não pensarmos em um ramal até Juína ou Juara, onde há 55 milhões de toneladas de minério de ferro para transportar, assim como o transporte de zinco da Nexa, em Aripuanã?”, questionou otimista.

Além do trabalho de fomento à atividade mineradora, a Metamat começou a desenvolver no último ano um importante trabalho social. Foi assinado um termo de cooperação junto à Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para auxiliar os municípios que sofrem com falta de água potável.

“Começamos um trabalho de perfuração de poços artesianos ou poços tubulantes profundos. Desde 2019, já foram perfurados 40 poços e 40 poços profundos, mais de 9,5km de perfuração”, explica Juliano Jorge.

O presidente da Metamat revelou que está em processo de compra de uma perfuratriz para agilizar o processo e atender ainda mais comunidades rurais e assentamentos. “O último levantamento que tivemos acesso, de 2015, mostrava que 60 mil pessoas não tinham água potável no estado, mas acredito que seja mais que isso. Imagina não ter água para fazer comida ou tomar banho? É um trabalho essencial o que estamos fazendo”, reforçou.

Leia Também:  Governador de MT declara situação de emergência para ajudar os municípios

Juliano Jorge salientou que, por meio de emendas parlamentares, a empresa está conseguindo avançar nas perfurações e também em um estudo da mineração no estado. “Vamos fazer um termo de cooperação com a Universidade Federal de Mato Grosso para um mapeamento da mineração no estado e dos distritos mineiros, direcionados à exploração de recursos hídricos e pesquisas de rochas para insumos agrícolas.

A Metamat completa 50 anos em 2021 e tem um amplo serviço prestado à Mato Grosso. Na gestão do governador Mauro Mendes, houve gestão das atividades e de colaboradores, com enxugamento de 60% da folha de pagamento.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA