Mato Grosso

Governo mantém identidade visual e vai economizar mais de R$ 68 milhões

O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, decidiu manter na atual gestão a identidade visual implantada na administração anterior, no intuito de trazer economia aos cofres do Estado.

Conforme o levantamento feito pela Secretaria Adjunta de Comunicação (Secom), que embasou a decisão do governador, uma nova mudança na identidade visual (englobando marca, slogan, brasão, cores, pinturas de fachadas, adesivagem de carros e crachás para todas as secretarias e órgãos) custaria mais de R$ 68,8 milhões ao Estado, sem contar os custos com papelaria.

Mendes afirmou que o cidadão não tolera mais essa cultura do personalismo político, em que a cada troca de comando o novo gestor muda a identidade visual para deixar o Governo com a sua “cara”.

“O que temos visto gestão após gestão é essa prática equivocada, da velha política, de gastar dezenas e até centenas de milhões de forma totalmente desnecessária. Os recursos públicos precisam ser aplicados em prol do cidadão, não para promover os gestores que temporariamente estão à frente do Governo”, criticou.

Leia Também:  Agência Reguladora prorroga suspensão de corte de energia de famílias de baixa renda

O governador destacou que além de trazer gastos milionários ao Executivo, a criação de nova identidade visual também implicaria no descarte de todo o material existente que contém a marca da gestão passada.

“Ou seja, teríamos um desperdício gigantesco de materiais que já foram produzidos, o que é um verdadeiro desrespeito ao contribuinte. Nós vamos utilizar tudo: canetas, crachás, blocos, uniformes, papelaria, até chegarem ao fim, antes de produzirmos mais. Estamos fazendo um grande esforço para aumentar a arrecadação e diminuir despesas, e um novo gasto nessa ordem seria impraticável e incoerente”, explicou.

Além disso, o governador afirmou que tem trabalhado em um projeto de lei para regulamentar esta questão, de modo a instituir uma identidade visual única para o Estado, com a proibição de mudança a cada nova gestão.

Essa identidade visual de Governo, todavia, não deve ser idêntica aos símbolos oficiais, a exemplo do hino, da bandeira e do brasão, que são símbolos de Estado, e não de Governo.

“Vamos encaminhar em breve esse projeto para a Assembleia Legislativa. A identidade visual deve identificar o Governo, e não gestão A ou gestão B”, finalizou.

Leia Também:  AML realiza sessão de saudades de Marília Beatriz e abrirá duas vagas

Conforme o relatório produzido pela Secom, a criação de nova identidade visual demandaria a adesivagem de (no mínimo) 3.917 veículos, pintura de 1.758 fachadas, confecção de 3.145 materiais de comunicação interna, troca de 12.459 crachás e confecção de 26.513 uniformes.

Comentários Facebook

Destaque

Hematologista explica quais os sintomas da anemia falciforme

Crises de dor, principalmente nos ossos e nas articulações, podendo afetar qualquer parte do corpo, são os sintoma mais frequentes da doença falciforme. Quem dá detalhes sobre a enfermidade para o Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Falciforme (19 de junho), é a hepatologista Paloma Borges, credenciada ao Mato Grosso Saúde pela Clínica Vida e Oncolog.

“As crises de dor têm duração variável e podem ocorrer várias vezes ao ano, com mais frequência em climas frios, casos de infecções, período pré-menstrual, problemas emocionais, gravidez ou desidratação”, pontua a especialista, observando que a doença falciforme altera os glóbulos vermelhos do sangue, fazendo com que as membranas dessas células tomem forma de foice e se rompam com maior facilidade.

A doença, que é hereditária, se apresenta de formas diferentes em cada paciente. Alguns têm sintomas mais leves do que outros, mas geralmente surgem na segunda metade do primeiro ano de vida da criança.

“Essa condição é mais comum em indivíduos da raça negra. No Brasil, representam cerca de 8% dos negros, mas devido à intensa miscigenação historicamente ocorrida no país, pode ser observada também em pessoas de raça branca ou parda”, explica o hepatologista.

Leia Também:  Politec inicia coleta de DNA de familiares de pessoas desaparecidas

Além das crises de dores, entre os sintomas está a síndrome mão-pé. Ao afetar as crianças, a falcização ocorre nos pequenos vasos sanguíneos das mãos e dos pés, provocando inchaço, dor e vermelhidão no local.

“Pacientes com doença falciforme têm maior propensão a infecções e, principalmente, as crianças podem desenvolver com mais facilidade pneumonia e meningite. Por isso elas devem receber vacinas especiais para prevenir estas complicações. E, ao primeiro sinal de febre deve procurar o pronto atendimento mais próximo onde é feito o acompanhamento da doença. Isto certamente fará com que a infecção seja controlada com mais facilidade”, alerta a especialista.

A Dra. Paloma Borges também chama a atenção para casos de úlcera, que são feridas que surgem com mais frequência próximo aos tornozelos, a partir da adolescência. Essas lesões podem demorar muito para cicatrizar completamente. A médica orienta uso de sapatos que cubram todo o corpo do pé para prevenir essa situação.

Entre os sintomas a médica também cita problemas na filtragem de sangue no baço.“Em crianças com anemia falciforme, o baço pode aumentar rapidamente por eliminar o sangue e isso pode levar rapidamente à morte por redução do fluxo sanguíneo aos outros órgãos, como o cérebro e o coração. É uma complicação da doença que envolve risco de perder a vida e exige tratamento emergencial”.

Leia Também:  Secretaria de Saúde define distribuição de vacinas para lactantes e trabalhadores da assistência social

Diagnóstico e Tratamento

A partir dos sintomas e do histórico familiar, o médico irá detectar esse tipo de anemia, através do exame de eletroforese de hemoglobina, ou seja, uma amostra de sangue.

“O teste do pezinho, realizado gratuitamente antes do bebê receber alta da maternidade, proporciona a detecção precoce de hemoglobinopatias, como a anemia falciforme”, destaca a Dra. Paloma Borges.

A partir do diagnóstico, o paciente passa a ter acompanhamento médico adequado, em um programa de atenção integral, pelo resto da vida. É uma rotina acompanhada por médicos, enfermeiras, assistentes sociais, nutricionistas, psicólogos, dentistas, entre outros.

“Os pacientes devem ser acompanhados por toda a vida por uma equipe com vários profissionais treinados no tratamento para orientar a família e o doente a identificar rapidamente os sinais de gravidade da doença, a tratar adequadamente as crises e a praticar medidas para sua prevenção”, finaliza a médica.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA