Destaque

Dados finais apontam 99,8% do rebanho vacinado contra febre aftosa em MT

O Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea MT) divulgou o resultado da etapa de novembro de 2020 de vacinação contra a febre aftosa no Estado. Foram vacinados 14.664.812 bovinos e bubalinos, quantidade correspondente a 99,8% dos animais foco desta etapa – todos os animais com até 24 meses, com atenção às propriedades localizadas no baixo Pantanal mato-grossense, onde todos os animais existentes deveriam ser vacinados.

“A baixa inadimplência é resultado de incessantes trabalhos de divulgação, educação sanitária, fiscalização dos servidores do Indea MT e fundamental apoio dos produtores rurais, que confiam nessa iniciativa para manter seus rebanhos livres da febre aftosa”, afirma César Miranda, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso.

Nesta etapa, foram realizadas vacinações oficiais em 2.361 estabelecimentos rurais. “Neste momento, os animais são vistoriados nos currais para a verificação da sanidade do rebanho. A vigilância veterinária constante confere segurança da ocorrência ou não de doenças infectocontagiosas de interesse para a defesa sanitária animal”, explica Renan Tomazele, diretor técnico do Indea MT.

Leia Também:  Colegiado define como serão distribuídas 85 mil doses de vacina contra Covid-19

Desde 2007, as etapas de vacinação envolvendo bovinos até 24 meses têm alcançado índices de vacinação superiores a 99%, verificando-se homogeneidade entre as regiões do Estado.

O Indea MT e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) são os órgãos oficiais responsáveis pela regulamentação, divulgação, educação sanitária, controle e fiscalização da vacinação, cabendo ao produtor arcar com a aquisição e aplicação da vacina.

As entidades do setor pecuário são parceiras do Indea MT, como a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Sindicato das Indústrias de Frigorífico do Estado de Mato Grosso (Sindifrigo), Associação dos Criadores de Ovinos de Mato Grosso (Ovinomat) e o Fundo de Emergência de Saúde Animal do Estado de Mato Grosso (Fesa).

O último foco de febre aftosa em Mato Grosso foi registrado em 1996. Atualmente, o Estado é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como livre de febre aftosa com vacinação, condição constantemente comprovada pelas ações de vigilância veterinária e inquéritos epidemiológicos realizados pelo Indea MT e Mapa.

Leia Também:  Polícia Civil prende homem que matou ex-companheira a facadas em Rondonópolis

Comentários Facebook

Destaque

Mato Grosso sobe no ranking da mineração no Brasil

Mato Grosso tornou-se em 2020 o primeiro estado do Brasil em requerimentos minerais e é o sexto com maior produção mineral do país. O presidente da Empresa Mato-grossense de Mineração (Metamat), Juliano Jorge Boraczynski, disse em entrevista à rádio CBN, de Cuiabá, que este é o reflexo da grande procura por minérios.

“A busca de empresários de outros estados é muito grande pelo solo mato-grossense. Aqui temos zinco, fosfato, cobre e ouro e, por isso, a continuidade do trabalho da Metamat é muito importante”, afirmou Juliano Jorge.

Ele salientou ainda que há um trabalho forte das empresas e cooperativas garimpeiras em busca da sustentabilidade da atividade especialmente na região Norte de Mato Grosso.

“Antigamente, o garimpo fazia um ‘estrago’ na região, mas hoje é feito um furo por perfuratriz para extrair os minérios”, disse, citando o exemplo da Cooperativa dos Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto (Coogavepe), em Peixoto de Azevedo, que é a sexta maior em extração de ouro.

Leia Também:  Justiça destina R$ 7,7 milhões para aquisição de aeronave para Ciopaer

Os investimentos na mineração em Mato Grosso podem aumentar ainda mais com a organização da logística na região garimpeira. “Existe o projeto da ferrovia Ferrogrão ir até Lucas do Rio Verde e porque não pensarmos em um ramal até Juína ou Juara, onde há 55 milhões de toneladas de minério de ferro para transportar, assim como o transporte de zinco da Nexa, em Aripuanã?”, questionou otimista.

Além do trabalho de fomento à atividade mineradora, a Metamat começou a desenvolver no último ano um importante trabalho social. Foi assinado um termo de cooperação junto à Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para auxiliar os municípios que sofrem com falta de água potável.

“Começamos um trabalho de perfuração de poços artesianos ou poços tubulantes profundos. Desde 2019, já foram perfurados 40 poços e 40 poços profundos, mais de 9,5km de perfuração”, explica Juliano Jorge.

O presidente da Metamat revelou que está em processo de compra de uma perfuratriz para agilizar o processo e atender ainda mais comunidades rurais e assentamentos. “O último levantamento que tivemos acesso, de 2015, mostrava que 60 mil pessoas não tinham água potável no estado, mas acredito que seja mais que isso. Imagina não ter água para fazer comida ou tomar banho? É um trabalho essencial o que estamos fazendo”, reforçou.

Leia Também:  Terminam hoje inscrições para o Sisu do primeiro semestre

Juliano Jorge salientou que, por meio de emendas parlamentares, a empresa está conseguindo avançar nas perfurações e também em um estudo da mineração no estado. “Vamos fazer um termo de cooperação com a Universidade Federal de Mato Grosso para um mapeamento da mineração no estado e dos distritos mineiros, direcionados à exploração de recursos hídricos e pesquisas de rochas para insumos agrícolas.

A Metamat completa 50 anos em 2021 e tem um amplo serviço prestado à Mato Grosso. Na gestão do governador Mauro Mendes, houve gestão das atividades e de colaboradores, com enxugamento de 60% da folha de pagamento.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA