Destaque

Comitê de Crise decide por novas restrições e estabelecimentos devem fechar das 22h às 5h

None

Foto:: Kawê Pires

Após reunião do Comitê de Gestão de Crise do Coronavírus realizada nesta quinta-feira (25), a Prefeitura de Rondonópolis definiu que novas restrições serão adotadas a partir desta sexta-feira (26) com o objetivo de conter a elevação de casos de covid-19 na cidade. Um novo decreto será publicado com as restrições que terão validade pelos próximos 10 dias.

Conforme definido pelos integrantes do Comitê de Crise, em votação unânime, todas as atividades permanecerão fechadas em Rondonópolis no horário compreendido entre às 22h e 5h, incluindo postos de combustíveis. Também ficará limitada a 30% da capacidade, a lotação em restaurantes, bares, igrejas entre outros.

A decisão por medidas mais restritivas foi tomada, principalmente, em função da lotação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) públicas. Na manhã desta quinta-feira, por exemplo, não havia nenhum leito de UTI na rede pública disponível e um paciente da cidade de Primavera do Leste aguardava na fila por uma vaga, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde.

Leia Também:  Mato Grosso registra 341.074 casos e 8.997 óbitos por Covid-19

As medidas visam evitar colapso na saúde pública com a redução do número de pessoas infectadas. Conforme dados do boletim de covid-19 de quarta-feira (24), Rondonópolis ainda tinha 332 pessoas em tratamento de covid-19 e destas, 31 estavam internadas em leitos de UTI na cidade.

Fonte: Daniely Tonin – GCOM

Comentários Facebook

Destaque

Mato Grosso sobe no ranking da mineração no Brasil

Mato Grosso tornou-se em 2020 o primeiro estado do Brasil em requerimentos minerais e é o sexto com maior produção mineral do país. O presidente da Empresa Mato-grossense de Mineração (Metamat), Juliano Jorge Boraczynski, disse em entrevista à rádio CBN, de Cuiabá, que este é o reflexo da grande procura por minérios.

“A busca de empresários de outros estados é muito grande pelo solo mato-grossense. Aqui temos zinco, fosfato, cobre e ouro e, por isso, a continuidade do trabalho da Metamat é muito importante”, afirmou Juliano Jorge.

Ele salientou ainda que há um trabalho forte das empresas e cooperativas garimpeiras em busca da sustentabilidade da atividade especialmente na região Norte de Mato Grosso.

“Antigamente, o garimpo fazia um ‘estrago’ na região, mas hoje é feito um furo por perfuratriz para extrair os minérios”, disse, citando o exemplo da Cooperativa dos Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto (Coogavepe), em Peixoto de Azevedo, que é a sexta maior em extração de ouro.

Leia Também:  Homem procurado pela Justiça por diversos crimes é preso em bairro de Rondonópolis

Os investimentos na mineração em Mato Grosso podem aumentar ainda mais com a organização da logística na região garimpeira. “Existe o projeto da ferrovia Ferrogrão ir até Lucas do Rio Verde e porque não pensarmos em um ramal até Juína ou Juara, onde há 55 milhões de toneladas de minério de ferro para transportar, assim como o transporte de zinco da Nexa, em Aripuanã?”, questionou otimista.

Além do trabalho de fomento à atividade mineradora, a Metamat começou a desenvolver no último ano um importante trabalho social. Foi assinado um termo de cooperação junto à Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para auxiliar os municípios que sofrem com falta de água potável.

“Começamos um trabalho de perfuração de poços artesianos ou poços tubulantes profundos. Desde 2019, já foram perfurados 40 poços e 40 poços profundos, mais de 9,5km de perfuração”, explica Juliano Jorge.

O presidente da Metamat revelou que está em processo de compra de uma perfuratriz para agilizar o processo e atender ainda mais comunidades rurais e assentamentos. “O último levantamento que tivemos acesso, de 2015, mostrava que 60 mil pessoas não tinham água potável no estado, mas acredito que seja mais que isso. Imagina não ter água para fazer comida ou tomar banho? É um trabalho essencial o que estamos fazendo”, reforçou.

Leia Também:  Decreto inclui Correios no Programa Nacional de Desestatização

Juliano Jorge salientou que, por meio de emendas parlamentares, a empresa está conseguindo avançar nas perfurações e também em um estudo da mineração no estado. “Vamos fazer um termo de cooperação com a Universidade Federal de Mato Grosso para um mapeamento da mineração no estado e dos distritos mineiros, direcionados à exploração de recursos hídricos e pesquisas de rochas para insumos agrícolas.

A Metamat completa 50 anos em 2021 e tem um amplo serviço prestado à Mato Grosso. Na gestão do governador Mauro Mendes, houve gestão das atividades e de colaboradores, com enxugamento de 60% da folha de pagamento.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA