APROSOJA

Aprosoja orienta associados a plantarem semente de soja para uso próprio em fevereiro

Defesa Agrícola

Aprosoja orienta associados a plantarem semente de soja para uso próprio em fevereiro

Decisão tomada em Assembleia Geral indica melhor mês para plantar e salvar sementes


18/12/2018

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) deliberou em Assembleia Geral, na quinta (13), orientar seus associados sobre o plantio de semente de soja para uso próprio. Na reunião, foi aprovada a recomendação de plantio em fevereiro, mesmo com a Instrução Normativa 002/2015, do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), determinando que o plantio seja realizado somente até 31 de dezembro.

 

O presidente da Aprosoja, Antonio Galvan, explica que esta norma impõe ao agricultor mato-grossense dois períodos de vazio sanitário – entre dezembro e junho, com a proibição do plantio, além do período regulamentado por lei, de 16 de junho a 15 de setembro. “Estão ignorando a experiência do campo do produtor rural. Este é um assunto econômico, que favorece as empresas de sementes”, afirma.

 

Segundo Galvan, a associação procurou por diversas vezes, que empresas de pesquisa realizassem estudos para comprovar se há eficácia em relação à ferrugem asiática com a proibição de plantio depois de dezembro. “Nenhuma quis fazer a pesquisa, estivemos na Embrapa, no Indea, na Fundação MT. Não tivemos respostas sobre a gravidade do problema. Nós fizemos o trabalho que estas empresas deveriam ter feito com o acompanhamento nestes três anos”.

 

Além disso, a Aprosoja também solicitou formalmente ao governo do Estado a discussão do assunto, o qual em momento algum respondeu à Entidade. “Solicitamos ao governador Pedro Taques, e também à presidência do Indea, a discussão desse assunto sobre a calendarização do plantio da soja, já que, para a implantação do período restritivo após 31 de dezembro, jamais foi feita pesquisa para validação da mesma. Porém, nem o governador, nem o Indea, atenderam nossa solicitação para debater o assunto”, afirma Galvan.

 

A Aprosoja encomendou uma pesquisa para saber se o associado também acredita que fevereiro é um mês viável para o plantio de soja para salvar sementes. Foram ouvidos 499 associados e 80% deles acenaram positivamente para a ideia. O presidente salienta que o associado que decidir plantar para salvar semente neste período terá o respaldo jurídico da associação.

 

Para o presidente, a maior vantagem do agricultor é ter semente de qualidade. “Infelizmente, ainda se recebe um número muito alto de sementes com péssima qualidade para plantio, e ninguém é responsabilizado por isso. E é importante também que o produtor rural tenha a semente que deseja plantar no momento da semeadura e não use o que a empresa tiver para vender, como é de praxe. Além de regular o preço do produto também no mercado”, diz Galvan.

 

De acordo com o consultor técnico da Aprosoja, Wanderlei Dias Guerra, entre as orientações ao agricultor, está o plantio de não mais do que 5% da área total semeada com soja e a proibição total de plantio de soja sobre soja. O plantio deverá ser informado ao Indea-MT e ser somente em fevereiro, não plantando em dezembro, nem janeiro. Que os produtores priorizem o uso de fungicidas de ação multissítio e façam rotação de princípios ativos.

 

De acordo com Guerra, os agricultores de Mato Grosso ficam de dezembro a junho sem plantar soja e, de dezembro até o final de janeiro, é um período de muitas chuvas no estado, o que propicia a proliferação da ferrugem asiática. Desta forma, os produtores rurais precisam aplicar mais fungicidas, chegando a 10 ou 12 aplicações, aumentando o custo. Como o campo de semente salva é uma área pequena, seria importante que o plantio fosse em fevereiro para uma semente de mais qualidade.

 

 

 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: comunicacao@aprosoja.com.br

Comentários Facebook

APROSOJA

Soja mato-grossense será reconhecida como sustentável por meio de programa da Aprosoja

Fortalecimento Institucional

Soja mato-grossense será reconhecida como sustentável por meio de programa da Aprosoja

Em missão na Europa, comitiva aprova pontos para que Soja Plus seja certificador da procedência dos grãos do Estado


28/11/2018

Em breve, os produtores rurais de Mato Grosso que participam do programa Soja Plus serão reconhecidos formalmente pela Europa como sustentáveis. Em reunião em Bruxelas, na Bélgica, na última quarta (21), o benchmarking do Soja Plus foi aprovado junto à Federação Europeia dos Fabricantes de Rações (Fefac) fazendo com que ele possa ser submetido à plataforma ITC.

“Desta forma, conseguiremos com que o programa Soja Plus seja uma espécie de certificação de sustentabilidade da soja mato-grossense. É um passo importante para os agricultores do Estado, que produzem soja e milho obedecendo rigorosas leis ambientais e trabalhistas”, afirma Antonio Galvan, presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja).

Em janeiro de 2017, foi assinado em Lisboa (Portugal) um Memorando de Entendimento (MoU, na sigla em inglês) entre a Aprosoja, a Fefac, a Associação Brasileira de Indústria de Óleos Vegetais (Abiove), a Federação Europeia de Óleo Vegetal e Proteínas (Fediol) e a Iniciativa para Comércio Sustentável (IDH). O documento reconheceu o programa Soja Plus como o caminho mais adequado para se reconhecer que a soja mato-grossense é sustentável.

Durante a viagem à Europa, a comitiva brasileira também se reuniu com autoridades políticas da União Europeia. Houve reunião na Embaixada Brasileira em Bruxelas e também no Parlamento Europeu. O objetivo era apresentar aos europeus como a soja é produzida em Mato Grosso. No discurso, o presidente da Aprosoja pediu respeito ao Brasil e ao agricultor brasileiro.

“Aparentemente, sustentabilidade para os europeus é não desmatar, nem desflorestar. E o conceito é muito mais amplo. Deixamos claro que no Brasil trabalhamos com leis rígidas e seguimos o que está definido nelas. Na legislação brasileira, há a possiblidade de desmatamento legal e ainda há muitos estados novos que estão crescendo e precisarão desta área. Nós temos soberania”, frisou Galvan.

O representante da associação acredita que, muito além da sustentabilidade, o interesse da Europa é comercial. “As organizações não-governamentais (ONGs), fomentadas pelos grandes varejistas, levam uma informação distorcida do Brasil para a Europa e, com isso, fazem pressão para que os preços sejam interessantes para eles”, contou. Em outras duas reuniões, em Paris e em Berlim, o contato foi com representantes de indústria de reações, associados da Fefac.

Soja Plus – Desenvolvido em 2011, por iniciativa da Aprosoja, o Soja Plus tem por finalidade a melhoria contínua das condições sociais, de trabalho e ambiental nas fazendas produtoras de soja. Até hoje, foram realizados 240 cursos da Norma Regulamentadora 31, que trata da qualidade de vida no trabalho, e é o pontapé inicial para a entrada no Soja Plus. Até o final do ano de 2018, serão mais de 3600 pessoas capacitadas. São mais de 1200 propriedades que fazem parte do Soja Plus em Mato Grosso.

Participaram da missão na Europa também o vice-presidente da Aprosoja, Fernando Cadore, o delegado por Sorriso, Thiago Stefanello, o diretor executivo, Wellington Andrade, a gerente de Sustentabilidade, Marlene Lima, o senador José Medeiros, o consultor técnico, Wanderlei Dias Guerra, e o diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro, Raimundo Deusdara Filho.

 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: comunicacao@aprosoja.com.br

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA