Agricultura

Aprosoja percorre 5 mil quilômetros nas BR’s 155/158, 163 e Transamazônica

Política Agrícola e Logística

Aprosoja percorre 5 mil quilômetros nas BR’s 155/158, 163 e Transamazônica

Estradeiro é o mais extenso realizado até hoje; foco é avaliar situação das principais rotas de escoamento dos grãos de MT

 

Aprosoja

04/12/2018

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e o Movimento Pró-Logística começaram, na quarta-feira (28), o último Estradeiro de 2018. O diferencial desta caravana é sua extensão: pela primeira vez, o grupo percorrerá de forma contínua 5 mil quilômetros, passando pelas BR’s 155/158, 163 e a Transamazônica (a BR-230).
O objetivo principal do Estradeiro é fazer uma verificação in loco da situação das principais rotas de escoamento dos grãos de Mato Grosso e, posteriormente, elaborar relatórios para serem encaminhados aos órgãos competentes pelas obras de manutenção e pavimentação das vias.
Hoje, a BR-155/158 é a principal rodovia de escoamento da produção da Região Leste de Mato Grosso. Já a BR-163 é a mais utilizada pelas regiões Norte e Oeste. Até o momento, o grupo passou por Primavera do Leste, Paranatinga, Ribeirão Cascalheira, Vila Rica, Santana do Araguaia e Marabá (PA).
“Até o momento verificamos alguns problemas na MT-020 e MT-130 com trechos com alguns buracos, mas com estabilidade na trafegabilidade. Já na MT-109, também conhecida como “estrada do guardanapo”, o trecho está tão péssimo que tivemos que fazer outro caminho, já que havia caminhão atolado impedindo que outros carros conseguissem acessar a via”, explicou o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan.
Outra parte em estado crítico, segundo o diretor executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz Ferreira, é o da MT-322, que liga a BR-158 à região de Espigão do Leste (ou Baianos). “Os produtores estão tendo muitas dificuldades de trafegar nesta via por absoluta falta de conservação do trecho. Foi um trecho muito complicado de atravessar desta vez e existe uma necessidade urgente de manutenção. Agora, com este período chuvoso, será impossível dessa manutenção ocorrer, porém vamos recomendá-la em nosso relatório”, destacou.
O grupo segue viagem até o dia 05 de dezembro, passando ainda por Novo Progresso, Altamira, Santarém, Itaituba, Moraes Almeida Sinop e Cuiabá. Durante a caravana, a Aprosoja e o Movimento Pró-Logística também têm realizado seminários com agricultores da região, para ouvir as demandas e principais gargalos logísticos de cada município.

Comentários Facebook

Agricultura

Empaer multiplica mudas de mandioca para garantir ramas para 2022

A equipe do Campo Experimental de Acorizal da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), preocupada com os efeitos das secas prolongadas e a falta de ramas de mandioca para plantio, vem desenvolvendo o método da multiplicação de mudas da mandioca em copinho de plástico. A iniciativa é devido a grande importância social que a cultura da mandioca proporciona, por ser uma alternativa para pequenos produtores na geração de renda e segurança alimentar.

Em pleno trabalho, os técnicos já tinham preparado 4,5 mil unidades que serão plantadas no Campo Experimental e garantir ramas para 2022, que serão disponibilizadas aos agricultores que tiverem interesse em cultivar a mandioca e também, aos técnicos da empresa que quiserem instalar a Unidade de Referência Tecnológica (URT), para mostrar aos produtores os materiais que estão sendo analisados e avaliar os mesmos em cada região.

A pesquisadora da Empaer, Dolorice Moreti, comenta que nos dois últimos anos, as secas castigaram muito a cultura da mandioca. Ela destaca que este método permite a reprodução do material em maior escala e de maneira economicamente viável.

Leia Também:  Brasileiros devem redobrar cuidados no verão contra câncer de pele

“A finalidade é aumentar a quantidade de mudas geradas a partir de plantas matrizes, com foco principalmente no pequeno agricultor, contribuindo na estruturação da cadeia da mandiocultura, de forma a minimizar, futuramente, os efeitos das secas prolongadas e da baixa produtividade”, afirma.

A multiplicação das mudas está sendo realizada com diversos materiais genéticos de mandioca provenientes de várias regiões do estado de Mato Grosso, da Embrapa e do Instituto Agrônomo de Campinas (IAC). A técnica, segundo Dolorice é simples e oportuniza ao produtor, o aproveitamento das ramas, melhor brotação, redução de falhas na lavoura e também até 30 dias para o preparo do solo e aquisições dos insumos necessários, enquanto as mudas ficam aptas para ir a campo.

Os trabalhos realizados são para duas finalidades de uso da mandioca: mesa e indústria. Para a mandioca de mesa precisamos ter produtividade, precocidade e cozimento, na comercialização. Para a mandioca destinada à indústria, ela precisa ser produtiva e apresentar alto teor de amido. Esse trabalho realizado pela Empaer visa oportunizar o produtor rural ter acesso aos materiais mais promissores para cada finalidade de uso e assim, ter maior rentabilidade na atividade.

Leia Também:  Polícia cumpre prisão contra padrasto que abusava sexualmente de 4 enteadas menores de idade

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA