Brasil

Ator e dublador Orlando Drummond morre aos 101 anos

O ator e dublador Orlando Drummond morreu na noite de hoje (27), no Rio de Janeiro, aos 101 anos de idade.

Autor da biografia do ator – Orlando Drummond – Versão Brasileira, o chefe de reportagem da TV Brasil no Rio de Janeiro, Vitor Gagliardo, disse que o país perdeu um grande ator.

“Drummond era um apaixonado pela vida, pela família e pela arte. Sua obra está eternizada na figura do seu Peru, da Escolinha do Professor Raimundo, e em todos os seus personagens na dublagem, em especial, do Scooby e do Popeye. Foram gerações que cresceram acompanhando sua arte. Enfim, uma notícia muito triste”, disse o jornalista à Agência Brasil.

A biografia do ator, humorista e dublador carioca nascido em 1919 foi lançada no ano passado pela Editora Gryphus.

Drummond morreu em casa, no bairro de Vila Isabel, zona norte do Rio de Janeiro, de falência múltipla dos órgãos. Em maio, foi internado no Hospital Quinta d’Or, em São Cristóvão, para tratamento de uma infecção urinária, mas teve alta em junho.

Leia Também:  Hematologista alerta que trombose é uma doença silenciosa, grave e que pode ser fatal

Início

Orlando Drummond Cardoso nasceu no dia 18 de outubro de 1919, no Rio de Janeiro. Iniciou a carreira em 1942, como contrarregra. Atuou em alguns filmes como Rei do Movimento (1954) e Angu de Caroço (1955) até chegar à carreira de dublador que exerceu desde o início dos anos de 1950. Interrompeu o trabalho como dublador em junho de 2015, após sofrer um acidente.

Era casado com Glória Drummond desde 1951 com quem teve dois filhos, cinco netos (dos quais três são também dubladores) e três bisnetos. Entrou para o Livro Guinness dos Recordes por dublar Scooby Doo por mais de 35 anos.

No Twitter, o ator Bruno Mazzeo, filho de Chico Anysio e que assumiu o papel do pai na Escolinha do Professor Raimundo – programa onde seu Peru ganhou notoriedade – saudou o artista: “Viva Drummond! Dos grandes. Salva de palmas”.

Comentários Facebook

Brasil

Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar auxílio emergencial

Trabalhadores informais e inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos em novembro podem sacar, a partir de hoje (17), a quinta parcela do auxílio emergencial 2021. O dinheiro foi depositado nas contas poupança digitais da Caixa Econômica Federal em 29 de agosto.

O calendário é organizado em ciclos de crédito em conta e de saque em espécie, de acordo com o mês de nascimento. O saque pode ser feito nas agências da Caixa, lotéricas ou nos correspondentes Caixa Aqui.

Para a retirada do dinheiro, é preciso fazer o login no aplicativo Caixa Tem, selecionar a opção “saque sem cartão” e “gerar código de saque”. Depois, o trabalhador deve inserir a senha para visualizar o código de saque na tela do celular, com validade de uma hora.

Agora, os recursos também podem ser transferidos para uma conta corrente, sem o pagamento de tarifas, e ainda podem ser movimentados por meio do aplicativo Caixa Tem. Com ele é possível pagar boletos e contas, como água e telefone, fazer compras pela internet e pelas maquininhas em diversos estabelecimentos comerciais, com o cartão de débito virtual e QR Code.

Leia Também:  Empresário do agro e família morrem em queda de avião

Em caso de dúvidas, a central telefônica 111 da Caixa funciona de segunda a domingo, das 7h às 22h. Além disso, o beneficiário pode consultar o site auxilio.caixa.gov.br.

Calendário de pagamento da quinta parcela do auxilio emergencial de 2021
Calendário de pagamento da quinta parcela do auxilio emergencial de 2021 – Fonte: Ministério da Cidadania

Regras

O auxílio emergencial foi criado em abril do ano passado pelo governo federal para atender pessoas vulneráveis afetadas pela pandemia de covid-19. Ele foi pago em cinco parcelas de R$ 600 ou R$ 1,2 mil para mães chefes de família monoparental e, depois, estendido até 31 de dezembro de 2020 em até quatro parcelas de R$ 300 ou R$ 600 cada.

Neste ano, a nova rodada de pagamentos, durante sete meses, tem parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo do perfil: as famílias, em geral, recebem R$ 250; a família monoparental, chefiada por uma mulher, recebe R$ 375; e pessoas que moram sozinhas recebem R$ 150.

Pelas regras estabelecidas, o auxílio é pago às famílias com renda mensal total de até três salários mínimos, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. É necessário que o beneficiário já tenha sido considerado elegível até o mês de dezembro de 2020, pois não houve nova fase de inscrições. Para quem recebe o Bolsa Família, continua valendo a regra do valor mais vantajoso, seja a parcela paga no programa social, seja a do auxílio emergencial.

Leia Também:  Rondonópolis suspende vacinação de adolescentes sem comorbidades

O programa se encerraria com a quarta parcela, depositada em julho e sacada em agosto, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para o benefício. A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o pagamento do auxílio em 2021.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA