Dilemas da vida em sociedade são temas de peça com Daniel Rocha

Fora da TV desde o encerramento de seu contrato com a Rede Globo
, Daniel Rocha volta ao teatro no Rio de Janeiro com a peça “Frames, Nossa Diferença que Liberta”. O ator vai apresentar o espetáculo ao lado de Hugo Bonemer.


Daniel Rocha e Hugo Bonemer estrelam nova temporada de
Divulgação

Daniel Rocha e Hugo Bonemer estrelam nova temporada de “Frames” no Rio de Janeiro

A partir da próxima sexta-feira (15) Daniel Rocha
e Bonemer estarão na Casa de Cultura Laura Alvim com a peça
que já passou por Salvador, Balneário Camboriú, Jaraguá do Sul, Brusque, Lages, Florianópolis e São Paulo e tem direção da carioca Camila Gama e do baiano Sandro Pamponet.

Leia também: Livraria Cultura lança nova revista com proposta de unir arte e tecnologia

O texto trata de temas como intolerância, preconceito e dificuldade de comunicação. “Frames, nossa diferença liberta” é um espetáculo que trata destas questões sob outro olhar: uma convivência com mais leveza e a construção do afeto e do amor independentemente das divergências e opções de vida.

São quatro histórias, quatro recortes de vida que acontecem durante um mesmo dia em uma grande cidade, onde o que move – ou não – os personagens são as suas urgências e impossibilidades. “Em três destas situações, os personagens são forçados a conviver como consequência de riscos urbanos, enquanto que na quarta evidencia-se a convivência por escolha. E o melhor da relação humana é extraído quando são exploradas possibilidades de entendimento entre pessoas que pensam diferente”, explica Bonemer que produziu o espetáculo.

Daniel Rocha fora da Globo



Divulgação

“Frames, Nossa Diferença que Liberta”

A última novela de Daniel Rocha na Globo foi “A Lei do Amor”, que terminou em 2017. Desde então ele fez uma participação no seriado “Cidade Proibida” e encerrou seu contrato com a emissora. Destaque em “Avenida Brasil”, o ator se dedica a série “Irmãos Freitas”.

Produzida pelo canal Space, a série retrata a vida do lutador Popó, papel ocupado por Rocha. A série está atualmente em produção e deve estrear ainda este ano.  

Leia também: Calendário de séries nacionais tem novidades na Netflix, HBO, TNT e Globo

Novo álbum

O Interpol finalmente anunciou seu novo álbum, Marauder, para 24 de agosto. Para acabar com a ansiedade dos fãs, a banda escolheu a Cidade do México, de onde fizeram uma coletiva de imprensa para anunciar as novidades.

Os americanos apresentaram o primeiro single, The Rover, bem como as datas de sua turnê e a tracklisting do disco, que você pode ver a seguir:

  1. If You Really Love Nothing
  2. The Rover
  3. Complications
  4. Flight of Fancy
  5. Stay in Touch
  6. Interlude 1
  7. Mountain Child
  8. NYSMAW
  9. Surveillance
  10. Number 10
  11. Party’s Over
  12. Interlude 2
  13. It Probably Matters 

Do Rio para São Paulo



Divulgação

“Vai Que Cola” viaja para São Paulo na próxima temporada, que já está sendo gravada

Na sexta temporada de “Vai Que Cola”, os moradores da pensão estão de cenário novo. Na trama, eles vão para São Paulo passar uns dias na casa da tia de Sanderson (Marcelo Médici) em Praia Grande. 

Para completar, todos se surpreendem com a notícia de que não poderão voltar tão cedo para o Méier, no Rio de Janeiro, já que a pensão foi interditada devido à uma obra que abalou as estruturas da região. Para completar, Terezinha (Cacau Protásio) descobre que está grávida e a identidade do pai é um mistério.

O elenco ganha um novo personagem, Bruno Surfistão, interpretado pelo humorista Alexandre Porpetone. Além dos já citados, Aline Riscado, Catarina Abdalla, Fiorella Mattheis, Leticia Lima, Samantha Schmütz, Emiliano D’Ávila, Isaac do VINE, Luis Lobianco, Marcus Majella e Rafael Infante estão confirmados na temporada. 

As gravações já estão em andamento em um estúdio no Rio de Janeiro. Entre as participações especiais já gravaram nomes como Gretchen e seu filho Thammy, o surfista Pedro Scooby e os cantores Iza, Lexa e Nego do Borel. São 40 episódios, com direção de César Rodrigues, João Fonseca, Regis Faria e Aaron Salles Torres, e produção de A Fábrica. A previsão de estreia é para agosto no Multishow.

Leia também: Daniel Rocha
e mais: confira como está o elenco de “Império” hoje

Comentários Facebook

Politica MT

CFAEO promove segunda audiência sobre o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso realizou, na tarde desta quarta-feira (10), audiência pública para discutir o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para o ano de 2023 (PLDO-573/2022). O debate foi conduzido pela Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária e contou com participação de representantes da Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz/MT), sindicatos, Defensoria Pública, Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM).

A receita total líquida para o ano de 2023 prevista na PLDO é de cerca de R$ 28,6 bilhões. O secretário-adjunto da Receita Pública da Sefaz/MT, Vinícius José Simioni da Silva, explicou os indicadores e parâmetros levados em consideração para chegar ao número apresentado na peça orçamentária. Porém, a estimativa foi alvo de questionamentos de participantes que acreditam na possibilidade de excesso de arrecadação.

Segundo o secretário-adjunto do Orçamento Estadual, Ricardo Capistrano, números podem ser atualizados para apresentação do projeto de lei orçamentária, que deve chegar em setembro para apreciação da Assembleia. O representante da Sefaz ainda destacou que a PLDO-2023 cria dispositivo para medir impactos e retorno econômicos das políticas públicas feitas pelo Estado de Mato Grosso.

Entre as prioridades contidas no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2023 estão manutenção de espaços educacionais, construção e reforma de estabelecimentos assistenciais de saúde, implementação de programas sociais e pavimentação e conservação de rodovias e gestão da regularização ambiental de imóveis rurais.

Representantes de sindicatos do funcionalismo público estadual cobraram a realização de concursos públicos para diferentes órgãos e secretarias e o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) dos anos em que a correção não foi concedida. A falta de oferta de qualificação profissional e a efetividade da renúncia fiscal dada pelo governo também foram alvo de discussões.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA