CUIABÁ

Ipês começam a florir e proporcionam um verdadeiro espetáculo natural pelas ruas

Quem anda pelas principais vias de Cuiabá já consegue observar uma bela e florida diferença no paisagismo dos canteiros centrais e calçadas. Como é comum na região Centro-Oeste, é nesta época que os Ipês começam a florescer, transformando o visual das cidades e deixando-as ainda mais vivas e coloridas. Na capital, a primeira espécie a proporcionar esse espetáculo natural é a do tipo roxo com variações do rosa.

Esse processo de florada é comumente iniciado no mês de julho e, a partir disso, o desabrochar de cada uma das cores segue até por volta de setembro, podendo alternar de acordo com as variações climáticas de cada região. Por aqui, em cada um dos períodos diferentes, é possível contemplar a variação de tons possibilitada pelas espécies do tipo roxo, amarelo, rosa e branco.

Na capital de Mato Grosso, essa magia da Mãe Natureza é fortalecida por ações de plantio e distribuição de mudas realizadas continuamente pela Prefeitura de Cuiabá. Seja de forma direta ou por meio de parcerias, o Município tem buscado potencializar a arborização dos espaços públicos. Avenidas como Mato Grosso, Beira Rio, Miguel Sutil, Dante Martins de Oliveira, por exemplo, já foram alcançadas com o plantio de Ipês.

Leia Também:  Saúde distribui mais 10 milhões de vacinas para todo o país

“Cuiabá carrega o título de Cidade Verde por conta de sua beleza natural proporcionada pelas milhares espécies de árvores presentes nas residências, canteiros, calçadas, praças e parques. Os tipos de Ipês estão entre essas espécies que podem ser admiradas. O Poder Público deve sempre incentivar a arborização e é isso que fazemos quando plantamos ou entregamos mudas para a população”, comenta o prefeito Emanuel Pinheiro.

Outro ponto de grande movimentação da cidade onde, em breve, também será possível apreciar o colorido dos Ipês é a Avenida Fernando Corrêa da Costa. Em 2020, por meio de uma ação liderada pela primeira-dama Márcia Pinheiro, aproximadamente 250 mudas foram plantadas ao longo do canteiro central, como parte do processo de requalificação executado na via que liga a região Sul ao Centro Histórico.

“Segundo os botânicos, um Ipê de cerca de 1,5 metro leva de dois a três anos para começar a florir, a partir do seu plantio. Ou seja, daqui a alguns anos vamos ter a Fernando Corrêa toda florida. Claro que isso se confirma seguindo todos os cuidados necessários. Por isso, a Prefeitura mantém equipes fixas de irrigação dos nossos canteiros e praças, que ajudam no desenvolvimento saudável dessas plantas”, relata a primeira-dama.

Leia Também:  Bandido assalta lanchonete e acaba morto a tiros em MT

ARBORIZAÇÃO

Os Ipês, todavia, não são os únicos presentes nas ações da Prefeitura de Cuiabá. Entre espécies nativas e frutíferas, o plantio e distribuição para a população conta com Jacarandá, Oitis, Aroeira, Pau Brasil, Tamarindo, Acerola, Graviola, Pitomba, Cajá e Tarumã. Para se ter uma ideia, somente nas atividades em parceria com o Projeto Verde Novo, coordenado pelo Juizado Volante Ambiental (Juvam), mais de 120 mil mudas foram plantadas ou distribuídas.

“Somado a essa iniciativa, temos ainda a arborização das mais de 120 praças construídas pela nossa gestão e também as mudas distribuídas pelo Disque Cidade Verde, que está suspenso por conta da pandemia, e também no Horto Florestal, onde o cidadão pode ir e retirar. A arborização não só deixa nossa cidade mais bonita como também ajuda a amenizar o clima quente que enfrentamos”, pontua o vice-prefeito José Roberto Stopa.

Fonte: Bruno Vicente | Foto: Luiz Alves – SECOM

Comentários Facebook

CUIABÁ

Taxa de ocupação de leitos de UTI por causa da Covid-19 apresenta redução em Cuiabá

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) divulgou, nesta segunda-feira (05), o Informe Epidemiológico sobre os casos de Covid-19, em Cuiabá. O levantamento apontou a melhora nas taxas de ocupação de leitos UTI adultos no Sistema Único de Saúde em todo país. Mato Grosso acompanhou a tendência e saiu da zona de alerta crítico, com índice maior ou igual a 90% e entrou na zona de alerta intermediário, entre 60 e 80%.

Outro dado apontado pelo Informe é que do total de internações, desde 2020, mais da metade foram em leitos pactuados pelo SUS. Cuiabá já soma 8.443 internações. O Informe Epidemiológico é feito a cada 15 dias para acompanhar ritmo de contaminação, internação e imunização.

O objetivo do Informe é monitorar o padrão de morbidade e mortalidade e descrever as características clínicas e epidemiológicas dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave – SRAG pelo SARS-Cov-2 em residentes no município de Cuiabá. Dando continuidade à divulgação de informações sobre a Covid-19 em Cuiabá, esse é o 57º informe produzido, no qual apresentamos as informações desde a data da notificação do primeiro caso em Cuiabá até a 26ª Semana Epidemiológica (SE), compreendendo o período de 14 de março de 2020 a 03 de julho de 2021.

Em 03 de julho de 2021, o Brasil acumulava 18.742.025 casos confirmados de Covid- 19 e 523.587 mortes. Já Mato Grosso registrava 453.047 casos confirmados e 11.9122 óbitos, indicando aumento de 3,9% dos casos e 4,2% de óbitos em duas semanas.

Leia Também:  Indea-MT ganha reforço de entidades em ações de defesa sanitária na fronteira

Desde a confirmação do primeiro caso de Covid-19 em residentes em Cuiabá (14 de março de 2020) até 19 de junho de 2021 foram registrados 93.777 casos e dentre eles 89.297 (95,2%) estão recuperados e 1,2% (1.157) em monitoramento (isolamento domiciliar). Em Mato Grosso, o índice de recuperação é de 95,1% e em monitoramento, 2,0% e no Brasil, 91,0% e 6,3% respectivamente.

Destaques do período de 14 de março de 2020 a 19 de junho de 2021

– Foram registrados 93.777 casos de Covid-19 residentes em Cuiabá, 95,2% recuperados; 8.443 internações e 3.056 mortes. Nas duas últimas semanas (SE 25 e SE 26) foram notificados 1.083 casos, 166 internações e 57 óbitos.

– A média de idade dos pacientes internados em 2020 era de 56,2 anos de idade e em 2021 foi de 53,6 anos. Entre aqueles que foram a óbito a média de idade em 2020 foi de 65,9 anos e em 2021 de 61,7 anos, indicando o rejuvenescimento da epidemia na capital.

– Entre os pacientes internados com evolução do caso, 41,9% dos idosos (1.422/3.392), 17,4% (851/4.735) dos adultos, e 9,3% (15/162) das crianças e adolescentes foram a óbito.

Leia Também:  Bandido assalta lanchonete e acaba morto a tiros em MT

– A partir de dezembro de 2020 se tem registrado o aumento de mortes, e esse padrão persistiu nos quatro primeiros meses de 2021. Apesar da tendência de redução no número de óbitos nos meses de maio (SE 18 e 22; 02 de maio a 05 de junho de 2021) e junho (SE 23 e 26; 06 de junho a 03 de julho de 2021), ainda há um quantitativo de óbitos elevado, com 32 e 25 óbitos nas SE 25 e SE 26, respectivamente.

– Em 03 de julho as taxas de ocupação de leitos de UTI adulto e infantil foram inferiores às observadas em 19 de junho, entretanto a de enfermaria aumentou.

– A taxa de transmissão do vírus nas duas últimas semanas foi estimada em 0,89 com a amplitude do intervalo de confiança indicando valores de transmissão superiores a 1,0.

– Desde 20 de janeiro, foram aplicadas 285.769 doses, sendo 213.508 com a 1ª dose, 68.691com a 2ª dose e 3.570 com dose única. Observamos que cerca de 32% das pessoas que receberam a primeira dose já foram imunizadas.

– A efetividade da vacina pode ser evidenciada pela redução percentual das internações e mortes em idosos, grupo prioritário para aplicação da vacina contra Covid-19, sendo esses os primeiros a receberem a vacina na capital.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA