Politica MT

Lambadão é reconhecido como movimento cultural e musical

Foto: WIDSON OVANDO DO NASCIMENTO

/

Consultoria Legislativa

Agora é lei. O lambadão, ritmo mato-grossense que anima muitas festas e representa a criatividade e expressão artística da baixada cuiabana, foi oficialmente reconhecido como movimento cultural e musical de caráter popular. A Lei n• 10.809/2019, de autoria do deputado Guilherme Maluf (PSDB), foi sancionada pelo governador e publicada no Diário Oficial nesta terça-feira (15).

Pela nova lei, compete ao Poder Público assegurar a esse movimento a realização de suas manifestações próprias, como festas, bailes, shows, reuniões e festivais, sem quaisquer regras discriminatórias e nem diferentes das que regem outras manifestações da mesma natureza.

Proíbe ainda qualquer tipo de discriminação ou preconceito, seja de natureza social, racial, cultural ou administrativa contra o movimento ou seus integrantes. “Cantores, músicos e dançarinos são agentes da cultura popular, e como tal, devem ter seus direitos respeitados”, afirma o autor da lei, Guilherme Maluf.

A nova legislação, segundo o deputado, oficializa o que na prática já está consolidado. “Entendemos que o lambadão é o ritmo da baixada cuiabana por excelência, já que a juventude desta importante região vive em seu cotidiano a música e a dança. Sou cuiabano e tenho orgulho da nossa cultura, por isso faço questão de trabalhar pela sua valorização”, ressaltou o deputado.

Conforme texto do projeto, na definição de movimento cultural e musical de caráter popular, inclui-se não apenas a música, mas também a forma de execução, os instrumentos, as danças e as coreografias do lambadão.

No ano passado, logo após a apresentação do projeto, integrantes da banda Erre Som estiveram no gabinete do deputado para agradecer a iniciativa. “Fizemos questão de vir aqui pessoalmente agradecer ao deputado Maluf pela apresentação deste projeto, que reconhece o verdadeiro valor do lambadão”, disse Ronny, vocalista da banda.

Leia Também:  TVAL fará entrevistas com candidatos ao Senado e ao governo de MT

Ronaldo Soares, tecladista e vocalista, lembrou que a nova lei fortalecerá o estilo musical e contribuirá para sua difusão. “Muito legal a iniciativa, esse reconhecimento é muito importante. Afinal, o lambadão faz parte da cultura mato-grossense”, disse.

O músico também considerou fundamental a inclusão do artigo que busca coibir discriminação ou preconceito contra o movimento. “O lambadão ainda enfrenta preconceito. Assim como o funk, ele sempre foi visto como um ritmo musical e de dança da periferia. Hoje o funk se popularizou e é aceito por todas as classes sociais. Esperamos que isso também aconteça com o lambadão”, declarou.

Memória

Em sua monografia focada no lambadão, o jornalista e documentarista Dewis Caldas cita as influências musicais absorvidas pelo lambadão mato-grossense: a lambada paraense e o rasqueado que, por sua vez, tem influência da polca paraguaia. No Pará, a lambada fazia sucesso nas periferias e nos garimpos. Muitos garimpeiros que não prosperaram naquele estado, foram para estados vizinhos em busca do ouro. Mato Grosso recebeu muitos grupos, especialmente nas cidades de Poconé, Rosário Oeste e Várzea Grande.

Uma pessoa que teve influência desses garimpeiros que trocaram o Pará por Mato Grosso foi Chico Gil, falecido em 2000, mas até hoje considerado o Rei do Lambadão. Nascido Francisco da Guia Souza na cidade de Poconé em 10 de setembro de 1956, Chico Gil foi carpinteiro, pedreiro e mestre de obras. Por volta de 1986 passou a trabalhar com o garimpo em Poconé, sendo garimpeiro de filão.

É dele o mérito de ter popularizado o gênero em Mato Grosso. Seu primeiro sucesso foi “Ei, amigo”, a primeira música que atingiu grande alcance na capital. Clederley Roberto de Souza, filho mais velho do cantor, afirma que “quando papai cantava os garimpeiros e filãozeiros se sentiam realizados, pois ali estava alguém que representava a música favorita desses trabalhadores”.

Leia Também:  Na busca pelo primeiro mandato na AL, Juca do Guaraná quer ‘levar o povo’ para a Casa de Leis

Segundo o músico e video-maker, Eduardo Ferreira, a expressão Lambadão foi usada pela primeira vez em 1997, pelo cantor e compositor Zé Moraes, da banda Estrela Dalva, ao ser perguntado que tipo de música era aquela. A Banda Estrela Dalva ganhou destaque no início do lambadão com hits como “Vou Dançar Com Essa Menina”, “Lambadão de Poconé” e “Você é Minha”, que vendeu 20 mil CDs em um mercado em que a média de vendagens era de 3 mil cópias.

No início da década de 90, a banda Os Maninhos teve grande sucesso, sendo a primeira grande banda de lambadão reconhecida no estado, chegando a levar multidões para os shows em Cuiabá e Várzea Grande. Outra banda de sucesso foi a Styllus Pop Som, primeiro grupo a gravar o sucesso “Toque Toque DJ”, que ganhou as rádios do país e levou o lambadão mato-grossense (também chamado de lambadão cuiabano) a ser reconhecido em todo o Brasil.

O pesquisador e músico Guapo, no seu livro de pesquisas musicais no Centro Oeste, “Remedeia co que Tem”, fala sobre esse momento.  “O lambadão, por ser uma música fácil, foi logo apropriado pelas bandas de rasqueado locais, as quais desenvolveram um estilo misturado com o siriri, ganhando assim o nome de lambadão cuiabano.

Vale ressaltar outros grupos neste contexto, as bandas Erre Som, Real Som, e Scort Som, que tem mais de trinta anos de estrada.

Comentários Facebook

Politica MT

Na busca pelo primeiro mandato na AL, Juca do Guaraná quer ‘levar o povo’ para a Casa de Leis

Para o candidato a deputado estadual pelo MDB em Mato Grosso, Juca do Guaraná Filho, a presença do agente político nos municípios é fundamental. Uma das propostas do Juca do Guaraná, é percorrer, com o Gabinete Itinerante, os 141 municípios do Estado e deixar fixa uma base do Gabinete Itinerante nas principais cidades de Mato Grosso.

“As pautas que vêm de encontro com as necessidades da população precisam ganhar vez na Assembleia Legislativa. Pode ter certeza que se eu conseguir uma das vagas da AL, a população entrará junto comigo”, destacou Juca do Guaraná.  

O emedebista é conhecido por ser o vereador do povo. Juca foi um dos parlamentares que mais teve indicações feitas e atendidas nos último dois anos. Já se somam mais de 10 mil indicações atendidas, em inúmeros bairros e comunidades rurais de Cuiabá. 

Juca do Guaraná Filho sabe bem a importância em ser um bom representante para a população cuiabana. Com muitos projetos de Lei de sua autoria, sancionados, Juca promete, caso eleito, continuar ‘fazendo mais por sua gente’.  Desta forma, criando mais propostas que beneficiem diretamente a homens e mulheres trabalhadores ou inserindo emendas a projetos que sejam, de fato, de interesse para Mato Grosso.  

Leia Também:  TVAL fará entrevistas com candidatos ao Senado e ao governo de MT

Juca do Guaraná Filho nasceu no bairro Pedregal, se candidatou e foi eleito em 2012. Depois, em 2016 e, por fim, em 2020. Sua entrada na política foi, inicialmente, para atender a um pedido do falecido pai, o ex-vereador José Maria Barbosa, mais conhecido como Juca do Guaraná. Assim, decidiu seguir a trajetória política e, hoje, Juca do Guaraná Filho busca seu primeiro mandato como deputado estadual.  

Com esse objetivo, Juca do Guaraná tem mostrado aos eleitores alguns de seus trabalhos na Casa de Leis cuiabana, afirmando que como vereador, criou o Gabinete Itinerante, com o objetivo não só de aproximar o parlamento municipal da comunidade, como ainda levantar as principais necessidades estruturais, em especial, nos bairros carentes da Capital. A ação já percorreu todas as regiões da Capital e já totalizou mais de 10 mil atendimentos. 

Em uma luta sem tréguas, Juca conseguiu sancionar a Lei de Nº 6.509/2020, de sua autoria, estabelecendo atendimento prioritário e, sobretudo, humanitário, aos autistas. A Lei exige que os estabelecimentos públicos e privados passem a estampar, em local visível, o símbolo para a conscientização do autismo, informando que os portadores do Transtorno do Espectro Autista (TEA) e seus acompanhantes têm direito a atendimento prioritário. O êxito foi tão grande que o projeto do vereador Juca do Guaraná acabou servindo de referência para várias outras cidades.

Leia Também:  Na busca pelo primeiro mandato na AL, Juca do Guaraná quer ‘levar o povo’ para a Casa de Leis

Juca também foi autor da Lei que aumentou o tempo para integração nos ônibus coletivos de Cuiabá, fazendo com que os usuários do transporte público tivessem mais tempo para completar seu trajeto, sem perder o tempo de integração e sem precisar pagar outra passagem.   

Esta Lei foi idealizada pelo parlamentar como resultado de uma experiência feita por ele, quando enfrentou um ônibus lotado que demorou aproximadamente 2 horas para fazer a linha que vai do bairro Pedra 90 ao Centro da capital. Ao passar por essa situação, notou que muito dificilmente uma pessoa conseguiria fazer esse mesmo percurso e tantos outros, em apenas 1 hora.  

Com a apresentação de todo trabalho prestado à Cuiabá, é que Juca do Guaraná tem se colocado à disposição da população mato-grossense, para levar esses projetos para todo o Estado.

Fonte: Eleições 2022

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA