Mato Grosso

Mato Grosso alcança 99,80% de vacinação do rebanho bovino

De acordo com o Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), durante a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa, realizada em novembro de 2018, foram vacinados 13.980.631 de bovinos e bubalinos, 99,80% dos animais envolvidos na etapa. Durante a campanha foram imunizados animais de até 24 meses e os de todas as idades das propriedades localizadas no baixo pantanal mato-grossense.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) preconiza que durante as campanhas de vacinação, os órgãos de defesa fiscalizem no mínimo 2% do total das propriedades. Segundo a presidente do Indea, Daniella Bueno, a atuação da autarquia foi superior. “Nossas equipes estiveram presentes em 2,44% das propriedades. Realizamos mais de 500 mil vistorias nos animais durante a etapa de vacinação, o que demonstra a nossa força de trabalho nas propriedades rurais durante a campanha”.

Para o superintendente Federal de Agricultura em Mato Grosso (SFA-MT) José de Assis Guaresqui, os índices de vacinação acima de 99% representam o esforço da cadeia produtiva. “A cada etapa de vacinação vemos o crescimento do rebanho e o aumento da produção. Isso mostra que não só os controles de febre aftosa e outras doenças, o produtor também intensificado o manejo, e empregado tecnologia na produção. Também é preciso reconhecer os órgãos que fazem esse controle quem tem acompanhado e zelado pela sanidade do rebanho mato-grossense”.

A última ocorrência de febre aftosa em Mato Grosso foi registrada em 16 de janeiro de 1996. E desde o ano 2000, o estado é reconhecido internacionalmente pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como livre de febre aftosa com vacinação. Para alcançar esse status, foi necessário unir forças de todos os agentes da cadeia produtiva e muito trabalho.

O diretor da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Antônio Carlos Carvalho de Sousa, destacou a parceria do setor produtivo e o serviço oficial. “O resultado da campanha reflete o bom relacionamento entre os atores envolvidos na cadeia produtiva, produtores rurais, médicos veterinários autônomos, Indea e Ministério da Agricultura, que estão no dia a dia das propriedades levando orientação e conhecimento. É um índice bastante elevado, graças ao empenho e a dedicação de todos os produtores”.

Leia Também:  Mãe chega em casa e encontra homem nu deitado ao lado da filha; suspeito foi detido por tentativa de estupro

Para o diretor da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Francisco de Sales Manzi, 2019 é um ano histórico para o setor. “Completamos 23 anos sem registros de caso de febre aftosa no estado, e já vamos iniciar a retirada da vacina. Diante disso, destaco a importância que tem o fortalecimento do Indea. Mato Grosso é um estado com uma extensa fronteira e possui o maior rebanho bovino do país, com mais de 30 milhões de cabeças, um patrimônio próximo de R$ 40 bilhões, e que pode sofrer impactos econômicos se tivermos doenças que comprometam diretamente as exportações como é o caso da febre aftosa. O Indea tem que ser visto pelo Governo do Estado como um órgão estratégico, fundamental, uma vez que, certifica toda a produção agropecuária do estado”.

O presidente do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), Guilherme Nolasco, ressaltou o trabalho desenvolvido pelo Indea e que impactará diretamente na abertura de novos mercados para a carne produzida no estado. “O Indea consegue manter a excelência em seu trabalho, isso demonstra que mesmo na adversidade a instituição está sempre se reinventando, com o apoio dos fundos privados sempre contribuindo e fortalecendo as ações de defesa. A retirada da vacinação será um marco histórico e vem de encontro à responsabilidade do estado perante o órgão de defesa sanitária, com ações de vigilância ativa, o fortalecimento da fiscalização. Ao mesmo tempo em que Mato Grosso será o grande responsável pelas exportações de carne para a China”.

Leia Também:  TCE rejeita denúncia e libera prefeitura a gastar R$ 1,8 milhão com insulfilm

Para quem deixou de vacinar o rebanho dentro do período da campanha a multa é de 1 UPF (Unidade Padrão de Fiscal) por cabeça de gado não vacinado. Já quem deixou de comunicar a vacinação ao Indea fica impossibilitado de emitir a Guia de Trânsito Animal (GTA) por um período mínimo de 30 dias.

Estiveram presentes representantes da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), o coordenador de Cadeias Produtivas da Pecuária (Sedec), Victor Fazinga, a representante do conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-MT), Milene Vidotti, e o diretor executivo da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Custódio Rodrigues.

Plano Estratégico

A partir deste ano mudanças devem ser implantadas na execução da vacinação contra a febre aftosa. Uma delas é a retirada do vírus “C” da composição da vacina e quanto a dosagem, que será reduzida de 5 mililitros para 2 mililitros. Um dos principais objetivos na mudança é a redução de reações nos locais de aplicação da vacina.

Cerca de 1% do rebanho de MT irá fazer a última vacinação contra a febre aftosa, em maio de 2019. Rondolândia, parte de Colniza, algumas propriedades de Comodoro, Juína e de Aripuanã, irão compor a zona livre de febre aftosa sem vacinação junto com os estados do Bloco I (Acre e Rondônia).

Mato Grosso integra o Bloco V do Plano Estratégico da Febre Aftosa, que incluem Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e Paraná, que devem realizar a última vacinação em maio de 2021. Santa Catarina pertence ao mesmo bloco, porém é a única unidade da federação que já é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação, desde 2007.

Comentários Facebook

Agricultura

Mulheres líderes do agro realizam visita técnica à Brasília

Lideranças femininas do setor agropecuário de Mato Grosso embarcaram hoje (10.08) para uma visita técnica em Brasília. Ao longo dos próximos dias, um grupo com 40 mulheres visitará a Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA), a sede do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), o Instituto Pensar Agro (IPA), entre outras instituições na capital federal.

As atividades fazem parte da programação da Academia de Liderança – Mulheres Líderes do Agro, a primeira organizada pelo Senar-MT exclusivamente ao público feminino. Ao todo, serão três encontros, de julho a setembro. Nesta segunda etapa, que ocorre em Brasília, as mulheres conhecerão mais sobre a atuação das instituições visitadas, seus representantes e a estrutura dos poderes executivo, legislativo e judiciário.

A Academia de Liderança reúne produtoras rurais, lideranças sindicais e mulheres que trabalham no setor agropecuário. O objetivo é formar líderes que possam atuar nas mais diversas esferas que envolvem a agropecuária no estado e impulsionar ainda mais o seu desenvolvimento.

No primeiro módulo, que ocorreu em Cuiabá, as participantes aprenderam mais sobre atuação política no agro e autoconhecimento e propósito. Além disso, tiveram a oportunidade de conhecer as áreas de atuação de cada uma das instituições do Sistema Famato: o Senar-MT, Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Instituto Agrihub, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) e os Sindicatos Rurais.

Leia Também:  Mulheres líderes do agro realizam visita técnica à Brasília

Essa é a primeira visita técnica da Academia de Liderança, após o início da pandemia de Covid-19. “Esse momento foi muito aguardado, a pandemia adiou o nosso projeto, mas finalmente conseguimos realizá-lo e estamos muito felizes em poder reunir e fortalecer as mulheres do nosso setor”, afirmou o superintendente do Senar-MT, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, mais conhecido como Chico da Pauliceia.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA