Politica MT

Medalhista de ouro, paratleta será homenageado pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso


Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

Titular da seleção mato-grossense e atual capitão da seleção brasileira de goalball, Romário Diego Marques, ou “Romarinho”, como é popularmente conhecido, ainda comemora a conquista inédita da medalha de ouro na Paralimpíada de Tóquio (Japão).  Mato-grossense de coração, o paratleta de 32 anos se tornou inspiração para milhões de crianças e adolescentes portadoras de deficiência visual. 

Foi com o objetivo de difundir a modalidade esportiva, que o deputado estadual Xuxu Dal Molin (PSC) propôs o Projeto de Resolução 194/2021 para conceder ao atleta a Medalha de Honra ao Mérito Esportivo “João Batista Jaudy”. Apresentado na sessão plenária dessa quarta-feira (15), o projeto de resolução está sob análise da Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto. 

Criada pela Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (ALMT), por meio da Resolução 6.597/2019, o título busca homenagear personalidades em reconhecimento às ações de incentivo, pesquisa, ensino e divulgação, prestados ao esporte mato-grossense. 

“O esporte é um mecanismo importantíssimo para promover a inclusão de jovens e adultos, em especial da Pessoa com Deficiência (PcD). A mensagem que queremos transmitir com essa propositura é a de que todos, sem exceção, são capazes de alcançar seus objetivos independente de qual seja a limitação física”, pontua Xuxu Dal Molin. 

Leia Também:  Delegado Claudinei articula unidade da PRF para Campo Novo do Parecis

Na avaliação do parlamentar, os jogos paralímpicos motivaram e reavivaram a esperança de milhões de telespectadores diante dos problemas enfrentados pela pandemia da covid-19. 

“Eles [paratletas] motivaram todos. A cada disputa, a cada medalha conquistada, a cada demonstração de superação (…). Se pudesse definir a Paralimpíada de Tóquio em uma única palavra, certamente ela seria: inspiração”, concluiu Dal Molin.

 Superação

Portador de retinose pigmentar, doença de origem genética que afeta em média 1 em cada 4 mil pessoas no mundo, “Romarinho” tem uma relação intrínseca com o esporte. 

Antes mesmo do nascimento, seu nome já havia sido escolhido em homenagem ao “Camisa 11” da seleção tetracampeão, Romário de Souza Faria, o eterno “Baixinho”. 

A deficiência que o impediu de “brilhar” nos gramados, foi a mesma que aproximou o jovem atleta do ainda desconhecido goalball e, que anos mais tarde, o conduziria ao cobiçado posto de capitão da seleção brasileira.

 De lá para cá, foram três participações em jogos paralímpicos, sendo o primeiro deles em 2012 (Londres), 2016 (Rio de Janeiro) e em 2021 (Tóquio) que lhe renderam, respectivamente, as medalhas de prata, bronze e o inédito ouro. 

Leia Também:  Bazar Solidário Assembleia Social bate recorde de arrecadação

Para coroar o feito histórico da seleção, o atleta de Mato Grosso balançou a rede na goleada de 7 a 1 conta a temida equipe da China. 

O Esporte

Ao contrário de outras modalidades paralímpicas, o goalball foi desenvolvido exclusivamente para pessoas com deficiência visual.

Os atletas são divididos nas categorias: cegos totais ou com percepção de luz, mas sem reconhecer o formato de uma mão a qualquer distância (B1), atletas com percepção de vultos (B2) e aqueles que conseguem definir imagens (B3). 

Para garantir a igualdade na competição, todos os atletas, independentemente do nível de perda de visão, utilizam uma espécie de venda nos olhos. 

Cada equipe é composta por três jogadores titulares e o mesmo número de reservas que tentam atingir o fundo da rede da equipe adversária.

 Para facilitar o posicionamento dos atletas, a quadra de goalball é dividida em três áreas: defesa, neutra e ataque.

 Baseado na percepção tátil e auditiva, o esporte é praticado em silêncio. Isso porque os atletas se localizam através de um som emitido por um guizo instalado no interior da bola que mede 76 centímetros de diâmetro e pesa 1,25 kg.

 *Com informações Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB)

Fonte: ALMT

Comentários Facebook

Politica MT

Comissão de Meio Ambiente ouve coordenador de comitê ambiental do Tribunal de Contas


Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

A Comissão de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Recursos Minerais recebeu, na tarde desta terça-feira (7), o secretário-geral de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado (TCE/MT), Roberto Carlos Figueiredo, que apresentou ações do Comitê Interno de Gestão Ambiental (Ciga), do qual é coordenador na corte estadual.

O convidado destacou a atuação feita pelo Ciga em sete municípios e também as observações encaminhadas para os órgãos competentes após análise do comitê. Entre os apontamentos elaborados pelo Tribunal de Contas está o chamamento dos chefes de executivo e legislativo municipais para contribuírem no enfrentamento às queimadas florestais por meio da disponibilização de maquinário pesado e operador para a abertura de aceiros, com reembolso do combustível gasto por parte do governo estadual. 

As observações também continham a necessidade de urgente realização de campanhas voltadas à conscientização da população para a não utilização da técnica de queima de expansão (fogo contra fogo). “O tribunal esteve presente lá naquele momento e constatou algumas observações do que precisava ser feito de imediato”, explica Roberto Carlos Figueiredo. “Nós viemos aqui na Assembleia também defender que o plano do governo para 2022 tem de ser feito ouvindo o pantaneiro”, completou.

Leia Também:  Delegado Claudinei articula unidade da PRF para Campo Novo do Parecis

O titular da Secretaria de Assessoria Parlamentar do TCE, Carlos Brito, argumentou que o trabalho de acompanhamento de investimentos e diálogo com diferentes poderes permite que seja feita um planejamento mais efetivo de gestão ambiental no estado.

No encontro, o presidente da Comissão de Meio Ambiente, deputado Carlos Avallone (PSDB), mostrou satisfação com as ações tomadas pelo governo do estado e pelo TCE para evitar impactos maiores causados pelos incêndios no Pantanal. “Sem dúvidas, o Ciga já influenciou o trabalho este ano. Em 2021, houve uma união impressionante da comunidade e poder público, investimento de 63 milhões do estado no combate ao fogo, compra de equipamentos, treinamentos. O resultado foi uma diminuição de 85% neste ano em relação ao ano passado nos incêndios”, ressaltou o parlamentar. 

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

Além de outros representantes do TCE/MT, também participou da reunião o deputado Gilberto Cattani (PSL).

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA