Agricultura

MT registra novo recorde no Valor Bruto da Produção Agropecuária e consolida a liderança

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2021, estimado com base nas informações de setembro, atingiu R$ 194,54 bilhões em Mato Grosso. Esse montante representa 17,63% do VPB nacional, estimado em R$ 1,103 trilhão, e mantém Mato Grosso como o principal polo brasileiro de produção agropecuária.

Os dados foram divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento nesta quinta-feira (14.10). Confira aqui. As cifras são superiores às de 2020 (com R$ 171,13 bilhões) e consolidam Mato Grosso no topo do ranking nacional, à frente de estados como Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

As maiores contribuições para o resultado mato-grossense vieram do milho, soja e da carne bovina. Somente a bovinocultura representou o montante de R$ 27,333 bilhões do VPB nacional e superou o montante de 2020, de R$ 24,721 bilhões.

O presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Oswaldo Pereira Ribeiro Júnior, destaca que, apesar de todos os percalços enfrentados pela pecuária, a atividade “continua surpreendendo e trazendo mais riqueza para o país”.

Leia Também:  Cronograma de vacinação da próxima semana tem reforço, segundas e primeira dose

O que é VBP

O VBP mostra a evolução do desempenho das lavouras e da pecuária ao longo do ano e corresponde ao faturamento bruto dentro do estabelecimento.

Esse valor é calculado com base na produção da safra agrícola e da pecuária e nos preços recebidos pelos produtores nas principais praças do país, dos 26 maiores produtos agropecuários do Brasil.

Já o valor real da produção, descontada a inflação, é obtido pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) da Fundação Getúlio Vargas.

Com informações do Mapa Foto: Secom – MT

Comentários Facebook

Agricultura

Empaer multiplica mudas de mandioca para garantir ramas para 2022

A equipe do Campo Experimental de Acorizal da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), preocupada com os efeitos das secas prolongadas e a falta de ramas de mandioca para plantio, vem desenvolvendo o método da multiplicação de mudas da mandioca em copinho de plástico. A iniciativa é devido a grande importância social que a cultura da mandioca proporciona, por ser uma alternativa para pequenos produtores na geração de renda e segurança alimentar.

Em pleno trabalho, os técnicos já tinham preparado 4,5 mil unidades que serão plantadas no Campo Experimental e garantir ramas para 2022, que serão disponibilizadas aos agricultores que tiverem interesse em cultivar a mandioca e também, aos técnicos da empresa que quiserem instalar a Unidade de Referência Tecnológica (URT), para mostrar aos produtores os materiais que estão sendo analisados e avaliar os mesmos em cada região.

A pesquisadora da Empaer, Dolorice Moreti, comenta que nos dois últimos anos, as secas castigaram muito a cultura da mandioca. Ela destaca que este método permite a reprodução do material em maior escala e de maneira economicamente viável.

Leia Também:  Estudante morre afogado em cachoeira durante passeio de escola

“A finalidade é aumentar a quantidade de mudas geradas a partir de plantas matrizes, com foco principalmente no pequeno agricultor, contribuindo na estruturação da cadeia da mandiocultura, de forma a minimizar, futuramente, os efeitos das secas prolongadas e da baixa produtividade”, afirma.

A multiplicação das mudas está sendo realizada com diversos materiais genéticos de mandioca provenientes de várias regiões do estado de Mato Grosso, da Embrapa e do Instituto Agrônomo de Campinas (IAC). A técnica, segundo Dolorice é simples e oportuniza ao produtor, o aproveitamento das ramas, melhor brotação, redução de falhas na lavoura e também até 30 dias para o preparo do solo e aquisições dos insumos necessários, enquanto as mudas ficam aptas para ir a campo.

Os trabalhos realizados são para duas finalidades de uso da mandioca: mesa e indústria. Para a mandioca de mesa precisamos ter produtividade, precocidade e cozimento, na comercialização. Para a mandioca destinada à indústria, ela precisa ser produtiva e apresentar alto teor de amido. Esse trabalho realizado pela Empaer visa oportunizar o produtor rural ter acesso aos materiais mais promissores para cada finalidade de uso e assim, ter maior rentabilidade na atividade.

Leia Também:  Indea apreende 39 caminhões de madeira irregular no mês de novembro

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA