Mato Grosso

Nova técnica de plantio aumenta em 50% produtividade da banana da terra

Com o cultivo de 500 mudas de banana da terra da cultivar Farta velhaco, no sistema de plantio adensado, o produtor rural e técnico agropecuário, José Vanderlei Batista, proprietário da chácara São José, localizada no município de Mirassol D’Oeste (300 km a Oeste de Cuiabá), espera colher oito toneladas de banana. A lavoura está em fase de produção e já foram colhidas quatro toneladas, com uma média de peso por cacho acima de 15 quilos. Satisfeito com a produtividade, ele já começou a plantar uma nova área com 750 mudas.

Com aumento na produtividade em 50%, atribui o bom resultado às novas técnicas de plantio adensado e às orientações técnicas da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer). O produtor Vanderlei conta que adquiriu as mudas da Empaer, produzidas em laboratório e livres de doenças. Ele explica que utilizou a técnica do plantio adensado no espaçamento entre plantas de 3,5 metros por 1,5 por 1,5 metros. “A minha propriedade é hoje uma ‘vitrine’ e recebo visitas de vários produtores para conferir de perto a técnica e a qualidade da banana”, esclarece.

De acordo com Vanderlei, toda produção é comercializada, no atacado vende por R$ 60,00 a caixa de 20 quilos, no varejo por R$ 5,00 o quilo. O produtor está ampliando a área de cultivo, que pode chegar a um hectare de banana. “Estou muito satisfeito com essa técnica, pois além da venda da produção de banana, também tenho lucro com a comercialização das mudas de bananeira que formam após a colheita dos cachos. Sendo um cultivo anual, as mudas de banana  servem para plantio e comercialização”.

Leia Também:  Mãe chega em casa e encontra homem nu deitado ao lado da filha; suspeito foi detido por tentativa de estupro

O pesquisador da Empaer, Humberto Marcílio, fala que a recomendação do plantio adensado para a agricultura familiar é uma estratégia para aumentar a produtividade, além de melhorar o aproveitamento da mão-de-obra, insumos e reduzir custos com controle de plantas invasoras. No Centro Regional de Pesquisa e Transferência de Tecnologia (CRPTT) da Empaer, localizado no município de Cáceres (225 km a Oeste da capital), foi realizada uma pesquisa sobre o crescimento e produção da bananeira farta velhaco em diferentes espaçamentos para região Sudoeste do Estado.

Segundo Marcílio, para a utilização do plantio adensado é necessário que as condições de solos sejam favoráveis (textura mista, profundos, bom teor de matéria orgânica e bem drenada) e aplicadas práticas culturais de correção do solo e adubação. Ele destaca que é importante seguir as recomendações para a cultura e viabilizar a instalação de sistema de irrigação. “O adensamento promove maior competição entre as plantas por fatores de crescimento (água, luz e nutrientes)”, adverte.

O pesquisador explica que nos plátanos banana da terra ou bananas de cozinhar e de fritar estão entre os principais segmentos agrícolas da economia, fazendo parte de um agronegócio eficiente na agricultura familiar. A bananeira tipo terra é cultivada principalmente em propriedades familiares consorciadas com culturais anuais, como milho, feijão, arroz, mandioca, e em sistema de monocultivo.

Leia Também:  Médica veterinária morre em grave acidente na BR-163

Pesquisa

Durante a pesquisa com a bananeira Farta velhaco, Humberto explica que foi selecionada a densidade de 2.667 plantas por hectare, como a melhor alternativa para o plantio adensado em cultivo anual, pois além de aumentar consideravelmente a produção manteve a boa qualidade dos frutos, atendendo as exigências do mercado regional.

Ainda nesta pesquisa foi alcançada uma produtividade média de 15 toneladas por hectare, na densidade de plantio tradicional 1.111 plantas por hectare. E quando comparado o sistema de plantio adensado com a densidade de 2.667 plantas por hectare, houve um incremento na produtividade de mais de 100%, chegando a 35 toneladas por hectare, com a média de peso do cacho de 13 quilos. Isso demonstra ser uma excelente opção para o sistema de produção da bananeira Farta Velhaco.

Comentários Facebook

Agricultura

Mulheres líderes do agro realizam visita técnica à Brasília

Lideranças femininas do setor agropecuário de Mato Grosso embarcaram hoje (10.08) para uma visita técnica em Brasília. Ao longo dos próximos dias, um grupo com 40 mulheres visitará a Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA), a sede do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), o Instituto Pensar Agro (IPA), entre outras instituições na capital federal.

As atividades fazem parte da programação da Academia de Liderança – Mulheres Líderes do Agro, a primeira organizada pelo Senar-MT exclusivamente ao público feminino. Ao todo, serão três encontros, de julho a setembro. Nesta segunda etapa, que ocorre em Brasília, as mulheres conhecerão mais sobre a atuação das instituições visitadas, seus representantes e a estrutura dos poderes executivo, legislativo e judiciário.

A Academia de Liderança reúne produtoras rurais, lideranças sindicais e mulheres que trabalham no setor agropecuário. O objetivo é formar líderes que possam atuar nas mais diversas esferas que envolvem a agropecuária no estado e impulsionar ainda mais o seu desenvolvimento.

No primeiro módulo, que ocorreu em Cuiabá, as participantes aprenderam mais sobre atuação política no agro e autoconhecimento e propósito. Além disso, tiveram a oportunidade de conhecer as áreas de atuação de cada uma das instituições do Sistema Famato: o Senar-MT, Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Instituto Agrihub, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) e os Sindicatos Rurais.

Leia Também:  Mulheres líderes do agro realizam visita técnica à Brasília

Essa é a primeira visita técnica da Academia de Liderança, após o início da pandemia de Covid-19. “Esse momento foi muito aguardado, a pandemia adiou o nosso projeto, mas finalmente conseguimos realizá-lo e estamos muito felizes em poder reunir e fortalecer as mulheres do nosso setor”, afirmou o superintendente do Senar-MT, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, mais conhecido como Chico da Pauliceia.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA