Mato Grosso

Números de emergência receberam mais de 94 mil trotes em 2018

Em 2018, o Ciosp (Centro Integrado de Operações de Segurança Pública) registrou 1.013.840 chamados, destes 94.273 mil contatos foram trotes, resultando em um percentual de 9% do total das chamadas. Os trotes realizados por crianças somaram pouco mais de 62 mil. Já os adultos foram responsáveis por mais de 32 mil das ocorrências falsas.

Ainda segundo dados do Ciosp, que abrange os atendimentos em Cuiabá, Várzea Grande, Cáceres e Rondonópolis, se considerar o total de trotes e as ligações não concluídas, os números de chamadas falsas elevam para 645.757 mil ligações, o que equivale a 63% do total das chamadas recebidas.

“As chamadas não concluídas são aquelas que a pessoa liga, o atendente tenta o contato, mas a pessoa não responde e desliga. Neste momento, um canal está disponibilizado para uma ligação que não se trata de uma ocorrência”, explicou o gerente técnico do Ciosp, sargento BM Leandro Alves.

As práticas mais comuns de trotes são palavrões, relatos inverídicos de violência, assédio aos atendentes e canções.

Em 2017, houve 1.185.776 chamadas. Deste número, 93.689 mil foram trotes. Uma redução mínima de ligações falsas. O Ciosp é responsável pelo recebimento das chamadas emergenciais da Polícia Militar (190), Polícia Judiciária Civil (197), Corpo de Bombeiros (193), Secretaria de Mobilidade Urbana – Semob (118) e o Disque Denúncia Nacional (181). A central também coordena o envio de pessoal e viaturas ao atendimento das ocorrências

Leia Também:  Jovem de 16 anos tenta atravessar rio e morre afogado

O coordenador do Ciosp, tenente coronel PM Siziéboro Elvis de Oliveira, disse que no momento em que ocorre o trote, um ramal fica ocupado, impossibilitando ajudar quem realmente precisa. “As chamadas indevidas geram prejuízos em todo o sistema de emergência, pois quando não é possível identificar que a pessoa está passando um trote e a ocorrência é despachada para as nossas equipes empenhamos uma viatura que não precisava ser utilizada e isso acarretará em custos ao Estado”, enfatizou.

O número de viaturas enviadas para ocorrências falsas não é maior porque, em 2017, a Sesp implantou uma ferramenta de identificação de chamada, o que aponta de qual bairro a ligação está sendo feita. “No momento em que é atendida a ligação, o operador já pergunta de qual bairro está falando e em alguns casos, o local não confere ao que está registrado, então já é detectado que se trata de um trote”, explicou o coordenador.

Há casos que o Ciosp chega a receber mais de 300 ligações de um único número no período de um mês. Nestes casos, os gestores encaminham o contato para a Delegacia de Polícia para que seja feito o pedido de cancelamento do número. A autoridade policial também chama o dono da linha para prestar depoimento, mas, em alguns casos, o autor das chamadas alega desconhecimento dos fatos.

Leia Também:  Sine MT oferta 2,9 mil vagas de emprego em 27 municípios

O trote aos serviços de emergência é um crime previsto no Código Penal. Quando identificado, o autor é enquadrado no artigo nº 340 do Código Penal: falsa comunicação de crime ou de contravenção, cuja pena é detenção de um a seis meses ou multa.

SMS

Para inibir os trotes feitos por usuários de telefone celular e se aproximar do cidadão, a Sesp implantou um sistema de envio de mensagens de texto informativo, que é acionado quando a chamada é classificada como trote pelos atendentes do Ciosp, nviada automaticamente ao celular com os seguintes dizeres: “Ciosp informa! Você fez uma chamada ao número de emergência que foi classificada como TROTE. TROTE é ato criminoso de acordo com o artigo 340 do Código Penal”.

Já quando a chamada não é um trote, a pessoa que realiza a ligação via celular ao Ciosp recebe um torpedo SMS com o seguinte texto: “Você fez uma chamada ao número de emergência. Estamos empenhados em lhe atender”. A mensagem contém ainda o número e o dia da ocorrência gerada no sistema.

Comentários Facebook

Agricultura

Mulheres líderes do agro realizam visita técnica à Brasília

Lideranças femininas do setor agropecuário de Mato Grosso embarcaram hoje (10.08) para uma visita técnica em Brasília. Ao longo dos próximos dias, um grupo com 40 mulheres visitará a Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA), a sede do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), o Instituto Pensar Agro (IPA), entre outras instituições na capital federal.

As atividades fazem parte da programação da Academia de Liderança – Mulheres Líderes do Agro, a primeira organizada pelo Senar-MT exclusivamente ao público feminino. Ao todo, serão três encontros, de julho a setembro. Nesta segunda etapa, que ocorre em Brasília, as mulheres conhecerão mais sobre a atuação das instituições visitadas, seus representantes e a estrutura dos poderes executivo, legislativo e judiciário.

A Academia de Liderança reúne produtoras rurais, lideranças sindicais e mulheres que trabalham no setor agropecuário. O objetivo é formar líderes que possam atuar nas mais diversas esferas que envolvem a agropecuária no estado e impulsionar ainda mais o seu desenvolvimento.

No primeiro módulo, que ocorreu em Cuiabá, as participantes aprenderam mais sobre atuação política no agro e autoconhecimento e propósito. Além disso, tiveram a oportunidade de conhecer as áreas de atuação de cada uma das instituições do Sistema Famato: o Senar-MT, Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Instituto Agrihub, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) e os Sindicatos Rurais.

Leia Também:  Jovem de 16 anos tenta atravessar rio e morre afogado

Essa é a primeira visita técnica da Academia de Liderança, após o início da pandemia de Covid-19. “Esse momento foi muito aguardado, a pandemia adiou o nosso projeto, mas finalmente conseguimos realizá-lo e estamos muito felizes em poder reunir e fortalecer as mulheres do nosso setor”, afirmou o superintendente do Senar-MT, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, mais conhecido como Chico da Pauliceia.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA