Cuiabá

Polícia cumpre 19 mandados em segunda fase de operação contra grupo criminoso envolvido em roubos e adulteração de veículos

Dezenove ordens judiciais, entre mandados de prisão e busca e apreensão, são cumpridas pela Polícia Civil na Operação Imperial, 2ª fase – Loki, deflagrada na manhã desta segunda-feira (18.10), pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Veículos (DERFVA).

A operação, que teve a primeira fase deflagrada em agosto deste ano, tem como alvo uma organização criminosa estruturada para prática de crimes de roubo e adulteração de veículos.

O grupo também atua em outros crimes correlatos como, receptação, uso de documentos falsos, falsidade ideológica, estelionato, lavagem de capitais e outros.

No total, são cumpridos 10 mandados de prisão preventiva contra suspeitos que estavam presos em razão de prisão temporária e tiveram a prisão convertida em preventiva, três mandados de prisão temporária, e três de busca e apreensão domiciliar.

Também foram decretadas pela Justiça medidas diversas da prisão, sendo expedidas notificações a três investigados, determinando o uso de tornozeleiras eletrônicas.

As ordens judiciais são cumpridas nas cidades de Cuiabá e Tangará da Serra.

Segundo o delegado titular da DERFVA, Gustavo Garcia Francisco, a segunda fase da operação tem o objetivo de reprimir os crimes de estelionatos que estão correlacionados aos roubos praticados pelo grupo.

Leia Também:  Entenda as novas regras da Tarifa Social de Energia Elétrica

A operação conta com a participação de policiais da Delegacia de Tangará da Serra, coordenados pelo delegado Adil Pinheiro de Paula.

Fase Loki

O nome Loki está ligado à magia e pode assumir a forma que quiser. É frequentemente considerado um símbolo da maldade traiçoeiro, de pouca confiança, e embora suas artimanhas geralmente causem problemas a curto prazo aos deuses, estes frequentemente se beneficiam, no fim das travessuras de Loki.

Comentários Facebook

Cuiabá

Cinco estelionatárias que aplicaram golpes em Goiás são presas em MT

Cinco mulheres, moradoras de Cuiabá, e investigadas pela Polícia Civil de Goiás por golpes de estelionato que causaram prejuízo às vítimas de mais de R$ 308 mil foram presas pela Polícia Civil de Mato Grosso.

As suspeitas foram presas pela Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE), em apoio à Polícia Civil goiana, na última semana, em cumprimento a mandados de prisão. A ação faz parte da operação “Canto das Sereias”.

As golpistas estavam com as prisões temporárias decretadas, após investigação conduzida pelo Grupo de Repressão a Estelionatos e Outras Fraudes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais.

Conforme apuração, as mulheres vinham praticando a fraude, popularmente conhecida como “golpe do intermediário” ou “falso intermediário”, um dos crimes de estelionato mais comuns na compra e venda de veículos.

Os criminosos utilizam propagandas de terceiros para negociar automóveis usados ou seminovos. Os verdadeiros anúncios são clonados e os golpistas acabam recebendo o pagamento do comprador interessado no veículo.

Em um dos casos investigados, a vítima, moradora da cidade de Goiânia, foi induzida a erro. Acreditando que estava adquirindo uma caminhonete de luxo, efetuou o depósito do valor de R$ 160 mil para o golpista.

Leia Também:  Cinco estelionatárias que aplicaram golpes em Goiás são presas em MT

Uma outra vítima, de Rio Verde, também foi induzida a erro com os mesmos modus operandi. Achando que estava comprando uma camionete de alto padrão depositou a quantia de R$ 138 mil. Já a terceira ocorrência registrada e apurada pela Polícia Civil foi de uma vítima de Crixás, que fez a transferência do valor de R$ 10 mil.

Diante dos fatos, foi solicitado apoio da DRE, que cumpriu as prisões contra as cinco mulheres presas em Cuiabá.

O delegado do Grupo de Repressão a Estelionato e Outras Fraudes, Olemar Miranda Santiago, agradeceu o apoio da Polícia Civil de Mato Grosso, por meio da equipe da DRE que não mediu esforços para prender as suspeitas, culminando no fechamento desta etapa da operação Canto de Sereias.

Ainda segundo o delegado de Goiás, as investigações continuarão para a identificação de outros possíveis envolvidos.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA