Agricultura

Produtores da região oeste recebem orientação sobre hidroponia

Produtores de hidroponia dos municípios que fazem parte do Consórcio Nascentes do Pantanal recebem, nesta semana, visitas dos técnicos da Empresa Mato-grossense de Pesquisa Assistência e Extensão Rural (Empaer-MT) em suas propriedades. O acompanhamento faz parte da parceria firmada pela Empaer-MT e o Consórcio, com objetivo de promover o desenvolvimento das cadeias produtivas da piscicultura, agroindústria, turismo rural, fruticultura, pecuária de leite e hidroponia, na Região Oeste.

As visitas começaram na segunda-feira (14), nas cidades de Cáceres, Curvelândia, Mirassol D’Oeste, São José dos Quatro Marcos, Glória d’Oeste, Porto Esperidião, Araputanga e Rio Branco.

O técnico especialista em hidroponia da Empaer, Thiago Tombini, conduz a visita que irá auxiliar os 12 produtores do segmento.

Um deles é Cleidinei Rocha do Nascimento, de Porto Esperidião, que produz alface, salsinha e almeirão. Ele destaca que ficou muito satisfeito com as orientações.

“O técnico observou, por exemplo, que o pH estava elevado, por isso algumas mudas não cresciam. Viu ainda a necessidade de controlar o adubo e o nitrato de cálcio, além do controle da tripes, inseto comum da alface. Estou muito satisfeito com todas as orientações e vou seguir a risca”, frisa Cleidinei.

Leia Também:  Enteado flagra padrasto espancando mãe e o esfaqueia

Já para Luciano Amaral de São José dos Quatro Marcos que há sete anos produz alface, almeirão, agrião, rúcula e salsinha – a visita de especialistas da Empaer é sempre muito bem-vinda.“Em todas as situações adquiro um novo conhecimento. É muito importante esse feedback técnico, um especialista sempre contribui de alguma forma”.

O secretário executivo do Consórcio Dario Antônio Carniel frisa ser de suma importância a parceria e a inserção de novas tecnologias na região do Consórcio. “A Empaer, o Consórcio Nascentes do Pantanal e as secretarias municipais de Agricultura estão juntos e vamos incentivar cada vez mais essa união”.

A coordenadora do Escritório Regional da Empaer de Cáceres, Laura Peixoto de Arruda destaca a importância do acompanhamento com foco no aumento da renda familiar, por meio da diversificação das atividades e o desenvolvimento das cidades que fazem parte do Consórcio.

“São várias as cadeias produtivas que estamos trabalhando na região, mas na hidroponia é de suma importância esse acompanhamento técnico”, conclui ela.

Leia Também:  Bolsonaro anuncia apoio para 750 mil caminhoneiros comprarem diesel

 

Comentários Facebook

Agricultura

MT registra novo recorde no Valor Bruto da Produção Agropecuária e consolida a liderança

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2021, estimado com base nas informações de setembro, atingiu R$ 194,54 bilhões em Mato Grosso. Esse montante representa 17,63% do VPB nacional, estimado em R$ 1,103 trilhão, e mantém Mato Grosso como o principal polo brasileiro de produção agropecuária.

Os dados foram divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento nesta quinta-feira (14.10). Confira aqui. As cifras são superiores às de 2020 (com R$ 171,13 bilhões) e consolidam Mato Grosso no topo do ranking nacional, à frente de estados como Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

As maiores contribuições para o resultado mato-grossense vieram do milho, soja e da carne bovina. Somente a bovinocultura representou o montante de R$ 27,333 bilhões do VPB nacional e superou o montante de 2020, de R$ 24,721 bilhões.

O presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Oswaldo Pereira Ribeiro Júnior, destaca que, apesar de todos os percalços enfrentados pela pecuária, a atividade “continua surpreendendo e trazendo mais riqueza para o país”.

Leia Também:  Sine Estadual divulga mais de 2,1 mil vagas de emprego nesta semana

O que é VBP

O VBP mostra a evolução do desempenho das lavouras e da pecuária ao longo do ano e corresponde ao faturamento bruto dentro do estabelecimento.

Esse valor é calculado com base na produção da safra agrícola e da pecuária e nos preços recebidos pelos produtores nas principais praças do país, dos 26 maiores produtos agropecuários do Brasil.

Já o valor real da produção, descontada a inflação, é obtido pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) da Fundação Getúlio Vargas.

Com informações do Mapa Foto: Secom – MT

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA