Cuiabá

Profissionais do Siminina participaram da primeira capacitação de 2019

As atividades do programa Siminina de 2019 ainda não começaram, mas a equipe de trabalho já está a todo vapor para mais um ano de muitas atividades. Com o objetivo de aprimorar o atendimento, buscando a excelência dos serviços realizados nas 16 unidades do projeto, as monitoras e auxiliares participaram de palestras, dinâmicas, rodas de conversa e oficinas relacionadas ao trabalho, durante três dias.

Foram abordados vários assuntos como a revisão do papel de cada membro da equipe, psicologia e infância, a arte de contar histórias, a importância do planejamento, plano de aula, de trabalhar com atividades lúdicas, bullying, inclusão social, orientação sexual, cuidados pessoais e com a higiene. “Nós precisamos estar sempre estudando, para conseguir melhorar cada vez mais o atendimento. Esse encontro acontece em dois momentos, no começo e meio do ano, o que contribui para um serviço cada vez mais humanizado”, ressalta a coordenadora do Programa Siminina, Dalma Beatriz Monteiro Corrêa da Costa e Silva.

Leia Também:  Sine Municipal disponibiliza 529 vagas de emprego nesta sexta-feira (12)

Para a assessora pedagógica, Arlene Saldanha a capacitação da equipe técnica ajuda a integrá-las no grupo e também a traçar planos para o ano. “Essas capacitações servem para ouvir as demandas, opiniões, para um melhor direcionamento, pois cada menina tem uma realidade diferente. É preciso muita dedicação e envolvimento, sempre com um olhar diferenciado. As monitoras são o coração do Siminina”, reforçou.

Benedita Souza Mendes – a Morena, auxiliar de monitora, trabalha na unidade do Distrito da Guia e considera a capacitação como uma oportunidade de aperfeiçoar a rotina de trabalho. “Nós que atuamos diretamente nas unidades, conhecemos a realidade da nossa região. Cada dia somos surpreendidas com novas situações, por isso que temos que estar preparadas emocionalmente, materialmente e psicologicamente para lidar com cada caso. Não podemos misturar as emoções, temos que encontrar formas de ajudar essas meninas, devolvendo a autoestima e preparando para um futuro melhor. Devemos estar sempre embasadas no carinho e amor, esse é o segredo”, disse Morena.

Criado há quase 20 anos, o projeto tem como madrinha a primeira-dama do Município, Márcia Pinheiro e é hoje considerado o maior programa de convivência e fortalecimento de vínculos para crianças e adolescentes sendo referência para outros municípios não só de Mato Grosso mas também de outros estados, como Mato Grosso do Sul.

Leia Também:  Quem pode e como doar leite materno? Pediatra esclarece principais dúvidas

Cerca de 1,2 mil meninas são atendidas nas 16 unidades e uma série de atividades que foram implantadas: aulas de inglês, balé, reforço escolar, cuidados médicos e psicológicos, entrega de óculos. As atividades são realizadas sempre no contraturno escolar. Agora, na atual gestão, o programa conta também com o Jovem Siminina, trazendo o atendimento para as meninas na faixa etária acima dos 14 anos, preparando-as para o mercado de trabalho.

Comentários Facebook

Cuiabá

Quem pode e como doar leite materno? Pediatra esclarece principais dúvidas

Incentivar a amamentação é o principal objetivo da campanha “Agosto Dourado”, realizada durante todo este mês de agosto, escolhido mundialmente para reforçar a promoção da amamentação e conscientizar as mães sobre a importância dessa prática.

Melhor alimento nos primeiros meses de vida, o leite materno possui inúmeros nutrientes que auxiliam no crescimento saudável dos bebês. Mesmo sabendo da importância da amamentação, muitas mulheres ainda têm dúvidas sobre como doar, por exemplo, e precisam de apoio e orientação.

A médica pediatra e neonatologista Fernannda Pigatto Vilela, diretora-técnica do Hospital e Maternidade Femina, em Cuiabá, esclarece as principais dúvidas relacionadas à amamentação.

O hospital é referência em atendimento materno e infantil e oferece um posto de coleta de leite para as mães que pretendem doar. A unidade ainda mantém o projeto “Cegonhas do Bem”, que auxilia as mães a amamentarem seus filhos.

Quem pode e como doar leite materno?
Toda mulher saudável, que não está tomando medicamentos incompatíveis com a amamentação, pode doar. Entretanto, é preciso apresentar exames atualizados do pré-natal (hemograma completo, HIV, HBSAG – Hepatite B, Sifílis), com validade de até seis meses. A retirada do leite pode ser feita em casa e depois a mulher pode fazer a doação em um banco de leite. Antes de retirar o leite, a mulher deve seguir algumas recomendações. Preparar o frasco, que deve ser obrigatoriamente fornecido pelo banco de leite ou frasco de vidro com tampa plástica, devidamente higienizada. Fazer a higiene pessoal, lavar as mãos com água e sabão e as mamas somente com água. Ao iniciar a retirada, a mulher deve estar em um local tranquilo, sentar-se em local confortável.

Leia Também:  Quem pode e como doar leite materno? Pediatra esclarece principais dúvidas

Onde guardar o leite materno?
O leite recolhido deve ser mantido no freezer ou no congelador da geladeira por no máximo 10 dias.

É possível amamentar um recém-nascido internado na UTI Neonatal?
Sim. O leite materno traz inúmeros benefícios e sempre será a melhor escolha para o recém-nascido, pois oferece proteção imunológica. Mesmo ele não conseguindo sugar, o leite da mãe é fornecido por sonda.

O que é colostro? Para que serve? Pode ser doado?
Colostro é o primeiro leite produzido pela mulher para amamentar o bebê e dura entre 3 a 5 dias, portanto, dificilmente ocorre quantidade suficiente para doação (mínimo 100 ml para pasteurizar). Nutritivo e calórico, o colostro estimula o sistema imune do bebê, garantindo anticorpos que previnem o desenvolvimento de doenças como alergia ou diarreia, por exemplo, além de diminuir o risco de morbidade e mortalidade infantil.

Mães portadoras de HIV ou infectadas pela Covid-19 podem doar?
A mãe infectada por Covid-19 deve se paramentar para amamentar seu filho, porém, não é possível realizar a doação do leite. As portadoras de HIV também não podem doar.

Leia Também:  Cuiabá confirma mais dois casos de Monkeypox

Como doar ao banco de leite do Hospital e Maternidade Femina, em Cuiabá? Quais os horários e informações de atendimento?
O Hospital e Maternidade Femina possui um posto de coleta de leite humano (PCLH) credenciado ao BLH do Hospital Júlio Muller, a fim de realizar coletas seguras, oferecendo qualidade sanitária ao paciente. O horário de atendimento do posto de coleta de leite humano do Hospital e Maternidade Femina funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h30 e, das 13h30 às 17h30. Aos sábados, das 8h às 11h. Após esse horário, serão atendidas somente as mães que estejam com seus filhos internados na UTI Neo. Doadoras devem se dirigir primeiramente à recepção do hospital para prévio atendimento.

Informações: recepção 21289000 (PABX), 21289199 (Lactário), 21289064 (Nutrição)

Sobre a Femina
O Hospital e Maternidade Femina atua há 43 anos em Cuiabá, nas áreas de Pediatria, Obstetrícia, Clínica-Geral e pronto atendimento com plantão 24 horas. Também conta com estrutura laboratorial de análises clínicas, no caso de exames solicitados durante os pronto-atendimentos. Ainda fazem parte de sua estrutura UTI adulta, UTI Neonatal e UTI pediátrica.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA