Politica MT

Programa “Palavra Literária” entrevista a escritora Marli Walker

Foto: PUBLICIDADE / ALMT

Aos 18 anos, Marli Terezinha Walker veio para Mato Grosso e fez do estado a sua casa. Aqui, produziu importantes obras literárias, que garantiram a ela uma cadeira na Academia Mato-Grossense de Letras e um convite para participar do programa “Palavra Literária” e contar um pouco da sua história. O nono episódio desta temporada vai ao ar neste sábado (14), na TV Assembleia (canais 30.1 e 30.2), às 12h30 e às 18h30.

O amor pelas palavras surgiu desde muito cedo, mas foi só durante a graduação em letras que Marli Walker retomou a prática da escrita. Até o momento, já publicou sete livros e mais um está em produção.

Engajada com a causa feminina, a escritora participa do Coletivo Literário Maria Taquara – Mulherio das Letras MT e aborda o tema em várias de suas obras. Como tese do mestrado em literatura, estudou a poesia de uma mulher camponesa e publicou o livro “Inferno e Paraíso na poética de Adriane Rocha” (2009).

Intrigada com a escassez de registros históricos acerca da produção de mulheres na literatura mato-grossense, Marli resolveu aprofundar as pesquisas e o material levantado durante sua tese de doutorado resultou na publicação “Mulheres Silenciadas e Vozes Esquecidas: três séculos de poesia feminina em Mato Grosso” (2021), que aborda o período iniciado no século XIX até os dias atuais.

Leia Também:  Assembleia aprova "Programa de Alimentação Balanceada" para escolas de MT

O próximo livro, que ainda está em fase de elaboração, também fará alusão à temática, a partir da figura incógnita e histórica de Maria Taquara.

Entre as obras de sua autoria já publicadas, constam ainda os livros de poesia: “Pó de Serra” (2006/2017), “Águas de Encantação” (2009), “Apesar do Amor” (2016) e Jardim de Ossos (2020)

A escritora aponta a existência de cerca sequência nas obras – com exceção de “Águas de Encantação” -, no que diz respeito ao desejo de cada eu lírico de “gritar”, “botar pra fora”.

“O Pó de Serra tem um diálogo com o Jardim de Ossos. No Jardim de Ossos é possível, através de um olhar mais atento, perceber que essa voz finalmente surge, emerge, ela vem e diz. E é um desejo que passa também por Apesar do Amor. Já o Águas de Encantação destoa um pouco dos outros três, porque aborda outro eu lírico, outra fase, outro momento, embora estejam presentes também as metáforas muito relacionadas, sempre, com a natureza”, explica.

Leia Também:  Botelho participa da tradicional Cavalhada de Poconé

O primeiro romance de sua autoria, “Coração Madeira” (2020), narra a trajetória de uma protagonista feminina em busca de um espaço, uma identidade independente.

“Ela vivencia essa travessia e encontra, justamente, uma ponte para conseguir alcançar pelo menos a autonomia de pensamento e, em seguida, a autonomia financeira”, diz.

A produção literária de Marli Walker a credenciou para ingressar na Academia Mato-Grossense de Letras, onde ocupa a cadeira 02. A nomeação para instituição, ocupada majoritariamente por homens, é, em sua avaliação, simbólica.

Marli acredita que a leitura é “a forma mais fácil e bonita para alcançar outros mundos” e ressalta a importância de espaços como o programa “Palavra Literária” para que os autores possam falar sobre suas obras.

“A iniciativa da TV Assembleia é excepcional, porque é um registro que fica. Esta temporada está ainda mais focada nas obras dos escritores e acredito que essa proposta é muito adequada com o que realmente é a literatura”, frisa.

As reprises do programa “Palavra Literária” são transmitidas aos domingos (11h30 / 21h), terças (12h30 / 22h) e sextas-feiras (12h30 / 22h).

Fonte: ALMT

Comentários Facebook

Politica MT

Deputados aprovam projeto que altera política de proteção da bacia pantaneira

Foto: Ronaldo Mazza

Os deputados estaduais de Mato Grosso, aprovaram em sessão ordinária nesta quarta-feira (29), em primeira votação, o Projeto de Lei 561/2022, que altera a Lei 8.830, de 21 de janeiro de 2008, que “Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Proteção à Bacia do Alto Paraguai no Estado de Mato Grosso. O PL, de autoria da Comissão de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Recursos Minerais, teve apenas um voto contrário, do deputado Lúdio Cabral (PT).

O projeto de lei altera alguns dispositivos da lei nº 8.830, de 2008, como exemplo,  no conceito de Área de Conservação Permanente há a vedação de alteração ou utilização dessas áreas de forma intensiva ou em larga escala. Por conta disso, uma das alterações visa excluir essa vedação, “uma vez que está em desconformidade com o § 2º do artigo 8º da própria Lei 8.830/2008, que estabelece que a supressão parcial da vegetação nativa, visando sua substituição, nas Áreas de Conservação Permanente, poderá ser realizada por meio de prévio licenciamento junto à SEMA na forma do regulamento”.

Leia Também:  Botelho destina emenda para torneio em Santo Antônio do Leste

A deputada Janaína Riva (MDB), que defendeu o projeto em plenário, disse que a aprovação “para atender o clamor, o desespero de quem produz no Pantanal”. Segundo ela, a Assembleia fez a parceria e selou com a Embrapa o compromisso de aprovar o projeto.

Para o deputado Lúdio Cabral (PT), único voto contra, o projeto tem artigos que estão de acordo, mas também contém outros, segundo ele, que sequer respeitam o Código Florestal. Conforme Lúdio, “além de desrespeitar o código tem conteúdos que não seguem as recomendações da Embrapa”. O deputado garantiu que vai propor emendas ao PL quando retornar ao plenário para a segunda votação.

 Outra alteração necessária, segundo justificativa do PL 561/2022, foi a de incluir ao artigo 3º outros pilares que compõem o conceito de sustentabilidade, uma vez que a mesma é dividida em três principais pilares: social, econômico e ambiental. “Assim, para garantir uma melhor sustentabilidade ao Bioma Pantanal é necessário que esses três pilares coexistam e interajam entre si de forma plenamente harmoniosa”, justificam os deputados da comissão.

Leia Também:  Botelho participa da tradicional Cavalhada de Poconé

Em justificativa os deputados citam ainda que ao artigo 7º também foram propostas alterações de redação, a fim de adequar aos preceitos do Código Florestal, Lei Federal nº 12.651/2012, para evitar insegurança jurídica. “Foram excluídos os parágrafos para manter a regra da norma geral federal quanto à forma de cálculo da APP. E mais, permitir nas áreas consideradas de preservação permanente na Planície Alagável da Bacia do Alto Paraguai de Mato Grosso, o acesso e uso para a pecuária extensiva, auxilia a manter a biodiversidade biológica e os processos ecológicos em toda a Bacia do Alto Paraguai, sendo uma atividade de baixo impacto”.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA