Mato Grosso

RGs emitidos até dezembro de 2017 e que não forem retirados serão incinerados

A Diretoria Metropolitana de Identificação Técnica está recolhendo as carteiras de identidades com data de emissão até dezembro de 2017 e que ainda não foram retiradas pelos requerentes, para que sejam incineradas.

A Portaria 03/2018, de 19 de dezembro de 2018, determina que todos os responsáveis pelos Postos de Identificação da Politec façam um levantamento dos documentos para serem devolvidos à sede, em Cuiabá. Eles têm até o dia 30 de maio deste ano para enviar os documentos para a incineração, mediante relação impressa dos requerentes.

Este procedimento é feito anualmente, visando a segurança documental e as informações pessoais dos cidadãos mato-grossenses, bem como a necessidade de organização e liberação de espaço físico nos arquivos de carteiras de identidade dos Postos de Identificação. Na unidade de Rondonópolis, que funciona no Ganha Tempo, um total de 214 RGs que foram solicitados até o final de 2017 estão prontos, aguardando para serem retirados pelos requerentes. 

Conforme o Diretor Metropolitano de Identificação Técnica, Leonel Teodoro de Melo, grande parte dos RGs que deverão ser descartados se refere aos documentos realizados em mutirões de cidadania, em que as pessoas realizaram a solicitação do RG, porém se esqueceram de buscá-lo no prazo informado no protocolo de atendimento.

Leia Também:  Sine MT oferta 2,9 mil vagas de emprego em 27 municípios

“Isso tem gerado um acúmulo muito grande destes documentos nos arquivos, fazendo-se necessário o descarte correto visando a segurança documental destas pessoas’’, explicou.  

Até novembro de 2018, foram emitidos 219.515 documentos de identidade, entre 1ª e 2ª vias em todo o Estado de Mato Grosso. Já até dezembro de 2017, foram emitidos 169.03 RGs.  

Comentários Facebook

Agricultura

Mulheres líderes do agro realizam visita técnica à Brasília

Lideranças femininas do setor agropecuário de Mato Grosso embarcaram hoje (10.08) para uma visita técnica em Brasília. Ao longo dos próximos dias, um grupo com 40 mulheres visitará a Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA), a sede do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), o Instituto Pensar Agro (IPA), entre outras instituições na capital federal.

As atividades fazem parte da programação da Academia de Liderança – Mulheres Líderes do Agro, a primeira organizada pelo Senar-MT exclusivamente ao público feminino. Ao todo, serão três encontros, de julho a setembro. Nesta segunda etapa, que ocorre em Brasília, as mulheres conhecerão mais sobre a atuação das instituições visitadas, seus representantes e a estrutura dos poderes executivo, legislativo e judiciário.

A Academia de Liderança reúne produtoras rurais, lideranças sindicais e mulheres que trabalham no setor agropecuário. O objetivo é formar líderes que possam atuar nas mais diversas esferas que envolvem a agropecuária no estado e impulsionar ainda mais o seu desenvolvimento.

No primeiro módulo, que ocorreu em Cuiabá, as participantes aprenderam mais sobre atuação política no agro e autoconhecimento e propósito. Além disso, tiveram a oportunidade de conhecer as áreas de atuação de cada uma das instituições do Sistema Famato: o Senar-MT, Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Instituto Agrihub, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) e os Sindicatos Rurais.

Leia Também:  Jovem de 16 anos tenta atravessar rio e morre afogado

Essa é a primeira visita técnica da Academia de Liderança, após o início da pandemia de Covid-19. “Esse momento foi muito aguardado, a pandemia adiou o nosso projeto, mas finalmente conseguimos realizá-lo e estamos muito felizes em poder reunir e fortalecer as mulheres do nosso setor”, afirmou o superintendente do Senar-MT, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, mais conhecido como Chico da Pauliceia.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA