Destaque

Rondonópolis fecha segundo ano consecutivo com saldo positivo na geração de empregos

Fonte: GCOM – Prefeitura de Rondonópolis

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) encerrou a contabilização dos dados de 2018 e revelou que Rondonópolis fechou o ano com saldo positivo de 1.795 contratações e alcançou o quarto lugar no ranking dos municípios do Centro-Oeste que mais geraram empregos.

Esse é o segundo ano consecutivo em que o município, que é o terceiro maior de Mato Grosso, encerra o ano com números positivos, o que o fez ocupar o terceiro lugar entre as cidades mato-grossenses com mais de 150 mil habitantes com mais oportunidades de emprego.

O setor que mais contribuiu para o saldo foi o de serviços, de variados segmentos, que registrou 1.033 contratações. Em segundo lugar ficou o setor do comércio com saldo de 373 contratações, seguido pela agricultura que registrou 192 novas contratações.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Milton Mutum, acredita que um conjunto de forças tem feito Rondonópolis se manter em desenvolvimento, mesmo enquanto outras regiões do país estão em dificuldade por conta da crise. “Empresas novas chegando, empreendimentos diferentes sendo estabelecidos e a consolidação das empresas do terminal de cargas fazem com que Rondonópolis continue prosperando”, comentou Mutum.

Leia Também:  Sine MT oferta 2,5 mil vagas de emprego em 28 municípios

A confiança do empresariado, tanto da classe industrial, como da empresarial e dos prestadores de serviço, na classe política local também deve ter contribuído para que o município mantivesse essa média de contratações, informou o secretário Mutum.

Em 2017 Rondonópolis alcançou o saldo de positivo de 1.499 contratações, número bem à frente do que foi registrado pelo Caged no ano de 2016 que acabou negativo em -1.808.

Comentários Facebook

CUIABÁ

Quem pode e como doar leite materno? Pediatra esclarece principais dúvidas

Incentivar a amamentação é o principal objetivo da campanha “Agosto Dourado”, realizada durante todo este mês de agosto, escolhido mundialmente para reforçar a promoção da amamentação e conscientizar as mães sobre a importância dessa prática.

Melhor alimento nos primeiros meses de vida, o leite materno possui inúmeros nutrientes que auxiliam no crescimento saudável dos bebês. Mesmo sabendo da importância da amamentação, muitas mulheres ainda têm dúvidas sobre como doar, por exemplo, e precisam de apoio e orientação.

A médica pediatra e neonatologista Fernannda Pigatto Vilela, diretora-técnica do Hospital e Maternidade Femina, em Cuiabá, esclarece as principais dúvidas relacionadas à amamentação.

O hospital é referência em atendimento materno e infantil e oferece um posto de coleta de leite para as mães que pretendem doar. A unidade ainda mantém o projeto “Cegonhas do Bem”, que auxilia as mães a amamentarem seus filhos.

Quem pode e como doar leite materno?
Toda mulher saudável, que não está tomando medicamentos incompatíveis com a amamentação, pode doar. Entretanto, é preciso apresentar exames atualizados do pré-natal (hemograma completo, HIV, HBSAG – Hepatite B, Sifílis), com validade de até seis meses. A retirada do leite pode ser feita em casa e depois a mulher pode fazer a doação em um banco de leite. Antes de retirar o leite, a mulher deve seguir algumas recomendações. Preparar o frasco, que deve ser obrigatoriamente fornecido pelo banco de leite ou frasco de vidro com tampa plástica, devidamente higienizada. Fazer a higiene pessoal, lavar as mãos com água e sabão e as mamas somente com água. Ao iniciar a retirada, a mulher deve estar em um local tranquilo, sentar-se em local confortável.

Leia Também:  Votorantim oferta vagas para curso gratuito de qualificação profissional para pessoas com deficiência

Onde guardar o leite materno?
O leite recolhido deve ser mantido no freezer ou no congelador da geladeira por no máximo 10 dias.

É possível amamentar um recém-nascido internado na UTI Neonatal?
Sim. O leite materno traz inúmeros benefícios e sempre será a melhor escolha para o recém-nascido, pois oferece proteção imunológica. Mesmo ele não conseguindo sugar, o leite da mãe é fornecido por sonda.

O que é colostro? Para que serve? Pode ser doado?
Colostro é o primeiro leite produzido pela mulher para amamentar o bebê e dura entre 3 a 5 dias, portanto, dificilmente ocorre quantidade suficiente para doação (mínimo 100 ml para pasteurizar). Nutritivo e calórico, o colostro estimula o sistema imune do bebê, garantindo anticorpos que previnem o desenvolvimento de doenças como alergia ou diarreia, por exemplo, além de diminuir o risco de morbidade e mortalidade infantil.

Mães portadoras de HIV ou infectadas pela Covid-19 podem doar?
A mãe infectada por Covid-19 deve se paramentar para amamentar seu filho, porém, não é possível realizar a doação do leite. As portadoras de HIV também não podem doar.

Leia Também:  Sine Municipal disponibiliza 529 vagas de emprego nesta sexta-feira (12)

Como doar ao banco de leite do Hospital e Maternidade Femina, em Cuiabá? Quais os horários e informações de atendimento?
O Hospital e Maternidade Femina possui um posto de coleta de leite humano (PCLH) credenciado ao BLH do Hospital Júlio Muller, a fim de realizar coletas seguras, oferecendo qualidade sanitária ao paciente. O horário de atendimento do posto de coleta de leite humano do Hospital e Maternidade Femina funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h30 e, das 13h30 às 17h30. Aos sábados, das 8h às 11h. Após esse horário, serão atendidas somente as mães que estejam com seus filhos internados na UTI Neo. Doadoras devem se dirigir primeiramente à recepção do hospital para prévio atendimento.

Informações: recepção 21289000 (PABX), 21289199 (Lactário), 21289064 (Nutrição)

Sobre a Femina
O Hospital e Maternidade Femina atua há 43 anos em Cuiabá, nas áreas de Pediatria, Obstetrícia, Clínica-Geral e pronto atendimento com plantão 24 horas. Também conta com estrutura laboratorial de análises clínicas, no caso de exames solicitados durante os pronto-atendimentos. Ainda fazem parte de sua estrutura UTI adulta, UTI Neonatal e UTI pediátrica.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA