APROSOJA

Tabelamento do frete eleva cesta básica e pressiona inflação

Fortalecimento Institucional

Tabelamento do frete eleva cesta básica e pressiona inflação

A aprovação da Medida Provisória 832 vai trazer impacto para brasileiro


Créditos: Vinicius Tavares/Aprosoja Brasil

10 de Julho de 2018

A aprovação da Medida Provisória (MP 832/2018), que prevê o tabelamento do frete para o transporte de cargas, vai trazer impacto no custo da cesta básica do brasileiro e pode provocar aumento da inflação. O alerta foi feito nesta terça-feira (10/7), pelo presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), Bartolomeu Braz Pereira, durante entrevista coletiva concedida na Câmara dos Deputados, em Brasília.
 
Segundo ele, o impacto no custo da cesta básica será de 12%. A elevação decorre da paralisação da comercialização de grãos causada pela indefinição no preço do frete após a greve dos caminhoneiros. Os dados constam de um estudo encomendado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).
 
De acordo com o presidente da Aprosoja Brasil, o mesmo estudo aponta que a instituição de um preço fixo para um serviço que costuma ter o custo estimado pela lei da oferta e demanda também vai provocar aumento de 2% na inflação anual, furando o teto da meta estabelecida pelo governo.
 
“O setor produtivo é contra o tabelamento do frete. Infelizmente quem vai pagar essa conta é a sociedade. A dona de casa está gastando mais para comprar alimentos. O feijão já está 20% mais caro. Se tiver frete mínimo, voltaremos aos tempos de inflação alta”, afirmou Braz Pereira, que também preside a Federação da Agricultuta e Pecuária de Goiás (Faeg).
 
Impacto no mercado de grãos
 
A greve dos caminhoneiros trouxe impacto direto no mercado de grãos, que está há um mês sem fazer negócios devido à falta de definição do custo do transporte de cargas. Com soja ainda estocada nos armazéns, os produtores estão enfrentando problemas para guardar a segunda safra de milho, que começa a ser colhida em diversos estados.
 
Segundo estimativas da Aprosoja Brasil, as exportações de milho, devido ao represamento da produção, cairão, pelo menos, 10%. “A próxima safra está atrasada em função da paralisação da entrega de fertilizantes e corretivos de solo. Os custos de frete dispararam. O frete para leite aumentou 40% e para soja 30%”, acrescentou.
 
A MP 832/2018 está pronta a ser votada no plenário da Câmara após ter sido aprovada em uma Comissão Especial.
 
Além do presidente da Aprosoja Brasil, também se manifestaram contrários à aprovação da MP representantes da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), da Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos) e da Associação Brasileira da Indústria de Arroz (Abiarroz).
 
Mais informações: comunicacao@aprosojabrasil.com.br / (61) 3551.1640
 

Fonte: Aprosoja Brasil


Assessoria Aprosoja Brasil

Contatos: Vinícius Tavares
55 61 3551.1640

Comentários Facebook

APROSOJA

Soja mato-grossense será reconhecida como sustentável por meio de programa da Aprosoja

Fortalecimento Institucional

Soja mato-grossense será reconhecida como sustentável por meio de programa da Aprosoja

Em missão na Europa, comitiva aprova pontos para que Soja Plus seja certificador da procedência dos grãos do Estado


28/11/2018

Em breve, os produtores rurais de Mato Grosso que participam do programa Soja Plus serão reconhecidos formalmente pela Europa como sustentáveis. Em reunião em Bruxelas, na Bélgica, na última quarta (21), o benchmarking do Soja Plus foi aprovado junto à Federação Europeia dos Fabricantes de Rações (Fefac) fazendo com que ele possa ser submetido à plataforma ITC.

“Desta forma, conseguiremos com que o programa Soja Plus seja uma espécie de certificação de sustentabilidade da soja mato-grossense. É um passo importante para os agricultores do Estado, que produzem soja e milho obedecendo rigorosas leis ambientais e trabalhistas”, afirma Antonio Galvan, presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja).

Em janeiro de 2017, foi assinado em Lisboa (Portugal) um Memorando de Entendimento (MoU, na sigla em inglês) entre a Aprosoja, a Fefac, a Associação Brasileira de Indústria de Óleos Vegetais (Abiove), a Federação Europeia de Óleo Vegetal e Proteínas (Fediol) e a Iniciativa para Comércio Sustentável (IDH). O documento reconheceu o programa Soja Plus como o caminho mais adequado para se reconhecer que a soja mato-grossense é sustentável.

Durante a viagem à Europa, a comitiva brasileira também se reuniu com autoridades políticas da União Europeia. Houve reunião na Embaixada Brasileira em Bruxelas e também no Parlamento Europeu. O objetivo era apresentar aos europeus como a soja é produzida em Mato Grosso. No discurso, o presidente da Aprosoja pediu respeito ao Brasil e ao agricultor brasileiro.

“Aparentemente, sustentabilidade para os europeus é não desmatar, nem desflorestar. E o conceito é muito mais amplo. Deixamos claro que no Brasil trabalhamos com leis rígidas e seguimos o que está definido nelas. Na legislação brasileira, há a possiblidade de desmatamento legal e ainda há muitos estados novos que estão crescendo e precisarão desta área. Nós temos soberania”, frisou Galvan.

O representante da associação acredita que, muito além da sustentabilidade, o interesse da Europa é comercial. “As organizações não-governamentais (ONGs), fomentadas pelos grandes varejistas, levam uma informação distorcida do Brasil para a Europa e, com isso, fazem pressão para que os preços sejam interessantes para eles”, contou. Em outras duas reuniões, em Paris e em Berlim, o contato foi com representantes de indústria de reações, associados da Fefac.

Soja Plus – Desenvolvido em 2011, por iniciativa da Aprosoja, o Soja Plus tem por finalidade a melhoria contínua das condições sociais, de trabalho e ambiental nas fazendas produtoras de soja. Até hoje, foram realizados 240 cursos da Norma Regulamentadora 31, que trata da qualidade de vida no trabalho, e é o pontapé inicial para a entrada no Soja Plus. Até o final do ano de 2018, serão mais de 3600 pessoas capacitadas. São mais de 1200 propriedades que fazem parte do Soja Plus em Mato Grosso.

Participaram da missão na Europa também o vice-presidente da Aprosoja, Fernando Cadore, o delegado por Sorriso, Thiago Stefanello, o diretor executivo, Wellington Andrade, a gerente de Sustentabilidade, Marlene Lima, o senador José Medeiros, o consultor técnico, Wanderlei Dias Guerra, e o diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro, Raimundo Deusdara Filho.

 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: comunicacao@aprosoja.com.br

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA