CUIABÁ

Taxa de ocupação de leitos de UTI por causa da Covid-19 apresenta redução em Cuiabá

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) divulgou, nesta segunda-feira (05), o Informe Epidemiológico sobre os casos de Covid-19, em Cuiabá. O levantamento apontou a melhora nas taxas de ocupação de leitos UTI adultos no Sistema Único de Saúde em todo país. Mato Grosso acompanhou a tendência e saiu da zona de alerta crítico, com índice maior ou igual a 90% e entrou na zona de alerta intermediário, entre 60 e 80%.

Outro dado apontado pelo Informe é que do total de internações, desde 2020, mais da metade foram em leitos pactuados pelo SUS. Cuiabá já soma 8.443 internações. O Informe Epidemiológico é feito a cada 15 dias para acompanhar ritmo de contaminação, internação e imunização.

O objetivo do Informe é monitorar o padrão de morbidade e mortalidade e descrever as características clínicas e epidemiológicas dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave – SRAG pelo SARS-Cov-2 em residentes no município de Cuiabá. Dando continuidade à divulgação de informações sobre a Covid-19 em Cuiabá, esse é o 57º informe produzido, no qual apresentamos as informações desde a data da notificação do primeiro caso em Cuiabá até a 26ª Semana Epidemiológica (SE), compreendendo o período de 14 de março de 2020 a 03 de julho de 2021.

Em 03 de julho de 2021, o Brasil acumulava 18.742.025 casos confirmados de Covid- 19 e 523.587 mortes. Já Mato Grosso registrava 453.047 casos confirmados e 11.9122 óbitos, indicando aumento de 3,9% dos casos e 4,2% de óbitos em duas semanas.

Leia Também:  Hematologista alerta que trombose é uma doença silenciosa, grave e que pode ser fatal

Desde a confirmação do primeiro caso de Covid-19 em residentes em Cuiabá (14 de março de 2020) até 19 de junho de 2021 foram registrados 93.777 casos e dentre eles 89.297 (95,2%) estão recuperados e 1,2% (1.157) em monitoramento (isolamento domiciliar). Em Mato Grosso, o índice de recuperação é de 95,1% e em monitoramento, 2,0% e no Brasil, 91,0% e 6,3% respectivamente.

Destaques do período de 14 de março de 2020 a 19 de junho de 2021

– Foram registrados 93.777 casos de Covid-19 residentes em Cuiabá, 95,2% recuperados; 8.443 internações e 3.056 mortes. Nas duas últimas semanas (SE 25 e SE 26) foram notificados 1.083 casos, 166 internações e 57 óbitos.

– A média de idade dos pacientes internados em 2020 era de 56,2 anos de idade e em 2021 foi de 53,6 anos. Entre aqueles que foram a óbito a média de idade em 2020 foi de 65,9 anos e em 2021 de 61,7 anos, indicando o rejuvenescimento da epidemia na capital.

– Entre os pacientes internados com evolução do caso, 41,9% dos idosos (1.422/3.392), 17,4% (851/4.735) dos adultos, e 9,3% (15/162) das crianças e adolescentes foram a óbito.

Leia Também:  Mato Grosso registra 530.426 casos e 13.701 óbitos por Covid-19

– A partir de dezembro de 2020 se tem registrado o aumento de mortes, e esse padrão persistiu nos quatro primeiros meses de 2021. Apesar da tendência de redução no número de óbitos nos meses de maio (SE 18 e 22; 02 de maio a 05 de junho de 2021) e junho (SE 23 e 26; 06 de junho a 03 de julho de 2021), ainda há um quantitativo de óbitos elevado, com 32 e 25 óbitos nas SE 25 e SE 26, respectivamente.

– Em 03 de julho as taxas de ocupação de leitos de UTI adulto e infantil foram inferiores às observadas em 19 de junho, entretanto a de enfermaria aumentou.

– A taxa de transmissão do vírus nas duas últimas semanas foi estimada em 0,89 com a amplitude do intervalo de confiança indicando valores de transmissão superiores a 1,0.

– Desde 20 de janeiro, foram aplicadas 285.769 doses, sendo 213.508 com a 1ª dose, 68.691com a 2ª dose e 3.570 com dose única. Observamos que cerca de 32% das pessoas que receberam a primeira dose já foram imunizadas.

– A efetividade da vacina pode ser evidenciada pela redução percentual das internações e mortes em idosos, grupo prioritário para aplicação da vacina contra Covid-19, sendo esses os primeiros a receberem a vacina na capital.

Comentários Facebook

Cuiabá

Prefeito sanciona lei e quem tentar escolher marca de vacina contra Covid-19 vai para o fim da fila

Quem estiver agendado para tomar a primeira dose da vacina se dirigir a algum polo de vacinação e se recusar a ser vacinado por causa da marca do imunizante, só terá uma nova oportunidade de ser vacinado após o término da vacinação de todas as pessoas que estiverem cadastradas nos demais grupos previamente estabelecidos. Sendo assim, a pessoa irá para o fim da fila. A determinação consta na Lei nº 6.703, de 02 de setembro de 2021, que estabelece alteração no protocolo de vacinação no município de Cuiabá para aqueles que se recusarem a tomar a vacina contra Covid-19 devido unicamente à marca do imunizante, foi publicada na Gazeta Municipal nº 215 e ja entrou em vigor.

A predileção por algum tipo de imunizante só é aceita para gestantes e puérperas sem e com comorbidades, e pessoas com comorbidades mediante laudo médico, assinado e carimbado pelo profissional. O laudo ficará retido e anexado ao QR Code da pessoa, e armazenado no arquivo da campanha de vacinação.

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, explicou que foi necessária a elaboração desta lei devido ao alto número de recusas de vacina na capital. “No começo da campanha tínhamos apenas dois tipos de vacina e a população estava muito feliz em ter a oportunidade de se vacinar com qualquer um dos imunizantes. Com a chegada de novos imunizantes de outros laboratórios, muita gente passou a achar que tinha o direito de escolher a vacina e isso tem causado grandes transtornos para as equipes em todos os polos de vacinação. As coordenações dos polos de imunização já estavam realizando esta prática de mandar para o fim da fila as pessoas que se recusam a tomar a vacina e agora esta prática está respaldada por lei”, explicou Pinheiro. Na capital, a campanha Vacina Cuiabá – Sua Vida em Primeiro Lugar já realizou a aplicação de 587.510 mil doses de vacinas (sendo 381.230 com a primeira dose, 193.672 com a segunda dose e 12.608 com a dose única).

Leia Também:  Mato Grosso registra 530.426 casos e 13.701 óbitos por Covid-19

Confira a Lei abaixo:

LEI Nº 6.703 DE 02 DE SETEMBRO DE 2021.

ESTABELECE ALTERAÇÃO NO PROTOCOLO DE VACINAÇÃO NO MUNICÍPIO DE CUIABÁ PARA AQUELES QUE SE RECUSAREM A TOMAR A VACINA CONTRA COVID-19 DEVIDO UNICAMENTE À MARCA DO IMUNIZANTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

O PREFEITO MUNICIPAL DE CUIABÁ – MT: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º Fica estabelecido o protocolo de vacinação diferenciado àqueles que se recusarem a tomar a primeira dose da vacina contra a Covid-19 unicamente em razão da marca do imunizante.

§ 1º Excetuam-se do disposto no caput deste artigo, gestantes e puérperas sem e com comorbidades, e pessoas com comorbidades com comprovada recomendação médica, cujo laudo será retido no momento da aplicação.

§ 2º A renúncia ao imunizante motivará a suspensão do direito à vacinação no período regular previsto dentro do cronograma do Plano Municipal de Imunização (PMI) na rede municipal de saúde.

§ 3º O disposto no caput deste artigo inclui também todos os usuários cadastrados em lista de espera para recebimento de doses remanescentes, que recusarem as doses ofertadas em razão da marca do imunizante.

Leia Também:  CoronaVac dá proteção acima de 90% a quem tem comorbidades, diz estudo

§ 4º Aquele que for retirado do cronograma de vacinação por recusa do imunizante será incluído novamente na programação após o término da vacinação dos demais grupos previamente estabelecidos.

Art. 2º Fica autorizada à Secretaria Municipal de Saúde a criar um Termo de Recusa, que deverá ser assinado por aqueles que recusarem o imunizante oferecido nos postos de vacinação.

Parágrafo único. O presente termo deverá ser anexado ao cadastro único do paciente na rede municipal de saúde, a fim de que fique impossibilitado de se vacinar em outro equipamento até a finalização do cronograma previsto.

Art. 3º As despesas decorrentes da execução da presente Lei correrão por conta das dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

Art. 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA