Politica MT

TV Assembleia exibe perfil dos parlamentares da 19ª Legislatura

Foto: Karen Malagoli

/

Secretaria de Comunicação Social

A TV Assembleia MT começou a exibir nesta segunda-feira (14) mini-documentários de cinco minutos com o perfil dos deputados da 19ª Legislatura do Parlamento estadual. O objetivo é apresentar aos mato-grossenses os parlamentares que tomarão posse no dia 1º de fevereiro. “Tivemos um índice considerável de renovação na última eleição. Alguns deputados não são muito conhecidos”, ilustra a servidora da TV, Larissa Campos. O material poderá ser visto na TV e na Internet.

Larissa Campos coordenou a elaboração dos vídeos junto à produtora. Essa forma de acompanhamento é uma novidade. “Criamos uma comissão com servidores da Secretaria de Comunicação (TV, Rádio, Redação e Publicidade) para fazer o briefing do material que as agências produzem. Acredito que entendemos e sabemos melhor as necessidades da Casa”, explica a secretária de Comunicação Rosimeire Felfili.

A comissão de servidores levantou informações e criou a estrutura a ser seguida pela produtora. Por sua vez, a empresa ficou responsável pelas gravações e montagem. “Os recursos da produtora possibilitaram gravações com familiares e colegas do parlamentar em sua base”, destaca Larissa Campos.

Leia Também:  O JARDINEIRO QUE PODE SE TORNAR DEPUTADO EM MATO GROSSO

O primeiro vídeo revelou a trajetória do Delegado Claudinei (PSL). O material mostra onde o parlamentar nasceu, estudou, e como iniciou a trabalhar com a comunidade. Também traz o depoimento do parlamentar eleito e de pessoas próximas. Os mini documentários dos demais deputados seguem o mesmo modelo.

Os vídeos estão sendo exibidos no jornal da TV Assembleia. O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira às 12h no canal 30.1, com reprise às 17h. “Por enquanto sai um por dia no jornal, mas depois a programação vai definir o horário dos outros vídeos”, completa a servidora Larissa Campos.  Além disso, os vídeos são disponibilizados no YouTube no canal da TVAL/MT a medida que vão ao ar na TV. Acesse a playlist neste link.

Comentários Facebook

Politica MT

CFAEO promove segunda audiência sobre o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso realizou, na tarde desta quarta-feira (10), audiência pública para discutir o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para o ano de 2023 (PLDO-573/2022). O debate foi conduzido pela Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária e contou com participação de representantes da Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz/MT), sindicatos, Defensoria Pública, Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM).

A receita total líquida para o ano de 2023 prevista na PLDO é de cerca de R$ 28,6 bilhões. O secretário-adjunto da Receita Pública da Sefaz/MT, Vinícius José Simioni da Silva, explicou os indicadores e parâmetros levados em consideração para chegar ao número apresentado na peça orçamentária. Porém, a estimativa foi alvo de questionamentos de participantes que acreditam na possibilidade de excesso de arrecadação.

Segundo o secretário-adjunto do Orçamento Estadual, Ricardo Capistrano, números podem ser atualizados para apresentação do projeto de lei orçamentária, que deve chegar em setembro para apreciação da Assembleia. O representante da Sefaz ainda destacou que a PLDO-2023 cria dispositivo para medir impactos e retorno econômicos das políticas públicas feitas pelo Estado de Mato Grosso.

Leia Também:  Semana na Assembleia tem audiências públicas e CST’s

Entre as prioridades contidas no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2023 estão manutenção de espaços educacionais, construção e reforma de estabelecimentos assistenciais de saúde, implementação de programas sociais e pavimentação e conservação de rodovias e gestão da regularização ambiental de imóveis rurais.

Representantes de sindicatos do funcionalismo público estadual cobraram a realização de concursos públicos para diferentes órgãos e secretarias e o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) dos anos em que a correção não foi concedida. A falta de oferta de qualificação profissional e a efetividade da renúncia fiscal dada pelo governo também foram alvo de discussões.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA